Comidinhas

La Sanguchería serve lanches de sotaque peruano a preços bem camaradas

Lanchonete de Perdizes tem delícias por no máximo R$ 15,00

Por: Helena Galante - Atualizado em

la sanguchería mario rodrigues
Chicharrón buenazo (R$ 15,00): recheado de costelinha suína (Foto: Mario Rodrigues)

Pagar no máximo R$ 15,00 por um sanduíche na cidade tem se tornado raridade. Se ele for bem montado e original, então, nem se fala. Pois oito opções de lanches saborosos e baratinhos são a atração da nova La Sanguchería, aberta em janeiro em Perdizes.

Para pedi-las ao garçom, porém, é preciso perder a vergonha e treinar o portunhol, ou melhor, o espanhol. No antigo salão do seu restaurante Killa Novoandino (agora transferido para a Rua Padre Chico, no mesmo bairro), o proprietário paulistano Georges Hutschinski oferece um enxuto cardápio bilíngue organizado pela peruana Cecilia Valle.

Entre as pedidas clássicas da terra natal da cozinheira está o chicharrón buenazo (R$ 15,00), recheado de rodelas de batata-doce cozida e depois frita, nacos de costelinha de porco também frita, muita cebola-roxa, um toque de pimenta dedo-de-moça fresca e coentro. Falar o nome de outra delícia, o asado con su salsita rica, também faz cócegas na língua. Custa R$ 12,00 e leva fatias de lagarto assado coberto de anéis de cebola caramelada.

Melhor esquecer na vitrine as empanadas de frango e de espinafre com ricota (R$ 6,00 cada uma), ambas meio secas. Pelo mesmo preço, experimente a versão de carne, mais úmida. Antes, vale provar os surtidos andinos (R$ 4,00), porção de batatas asterix e doce mais mandioca fritas servida dentro de um saquinho de papel sobre uma bandejona metálica.

Para acompanhar, felizmente não há a mostarda nem o ketchup industrializados. Chegam à mesa quatro bisnagas de molhos feitos na casa. São imperdíveis os de pimenta ají amarillo com queijo branco e de azeitona preta.

De sobremesa, os churros sabrositos agradam na versão tradicional de doce de leite (R$ 4,00 a unidade).

COMIDA ✪✪✪ | AMBIENTE ✪✪ | ATENDIMENTO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO