Restaurantes

La Cocotte aposta em clássicos franceses

As boas receitas do chef Fred Frank são quase sempre servidas na panela que dá nome à casa

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

La Cocotte - RESTAURANTES - 2261
O pequeno salão: atmosfera acolhedora e serviço atencioso (Foto: Cida Souza)

Embora tenha se revelado um cozinheiro de propostas arrojadas desde o início da carreira, Fred Frank mudou o foco no pequeno e acolhedor La Cocotte. Ex-discípulo de Emmanuel Bassoleil e Claude Troisgros, o chef aposta em pratos tradicionais franceses no restaurante aberto em novembro junto de Juscelino Pereira (sócio do Piselli, Tre Bicchieri e Maremonti), do administrador Pedro Sant’Anna e de mais dois investidores. Pelas mãos de Frank, as receitas clássicas ganham leveza, recebem um ou outro acompanhamento italiano e quase sempre surgem dispostas na cocotte, a panela que dá nome à casa.

+ Menus executivos que valem a pena

+ Le Bou oferece atraente seleção de receitas franco-brasileiras

+ Marca Petrossian ganha loja de caviar e outros itens caríssimos

Um dos ícones do sul da França, a salada niçoise (R$ 34,00 a pequena e R$ 44,00 a grande) leva atum fresco discretamente selado, em vez do peixe em conserva da preparação original, mais uma mescla de folhas, tomate-cereja, vagem e ovo de codorna cozido. Outra entrada de primeira, o escalope de foie gras passa rapidamente pela chapa e vem servido junto de salada ao molho de uva (R$ 52,00). Dos pratos principais, seduzem o paladar o filé-mignon ao molho de pimenta guarnecido de mandioquinha gratinada (R$ 52,00) e o confit de pato adornado por menta sobre um aromático risoto de baunilha (R$ 58,00).

+ Veja o cardápio completo do La Cocotte

La Cocotte
Filé-mignon ao molho de pimenta (Foto: Cida Souza)

Brilha na sobremesa o babá ao rum (espécie de bolo de massa leve regada na calda de aguardente de cana; R$ 19,00) na companhia de chantili. Há cuidados especiais com os vinhos, entre eles uma máquina para garantir a qualidade dos rótulos oferecidos em taça. Da carta apresentada pela sommelière ruandesa Malaika Gatete, atenciosa como o restante da brigada, peça o Bordeaux tinto L’Orangerie de Carignan 2008 (R$ 98,00).

COMIDA ✪✪✪✪ | AMBIENTE ✪✪✪ | SERVIÇO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO