Exposições

Tudo sobre a mostra de Kandinsky no CCBB

Precursor do abstracionismo, pintor russo ganha mostra com 150 obras, entre pinturas, gravuras e objetos

Por: Fernando Masini - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Logo na entrada da exposição Kandinsky - Tudo Começa num Ponto, que será aberta na quarta (8) no Centro Cultural Banco do Brasil, no centro de São Paulo, o visitante dá de cara com a pintura São Jorge (1911), em traços abstratos, com a figura do cavaleiro portando sua lança quase irreconhecível. A presença de elementos espirituais torna-se, ao longo da mostra, constante.

Rodolfo de Athayde, diretor geral da montagem, explica que o pintor russo nascido em 1866 foi influenciado pelos rituais xamânicos da região e os usou como tema mesmo em composições menos figurativas. "Ele não foi exatamente um praticante do xamanismo, mas aproveitou a simbologia nas suas obras", diz.

+ Famoso pelas paisagens, Guignard ganha mostra no MAM

O caráter espiritual é uma das características mais marcantes do conjunto de mais de 150 trabalhos, entre pinturas, gravuras e objetos, expostos em quatro andares do centro cultural. No quarto piso, onde tem início o roteiro, o visitante encontra xilogravuras em preto e branco como Bosque de Bétulas (1911) e A Igreja (1911), e outras em cores.

Kandinsky
'São Jorge' (1911): o espiritualismo presente nas obras (Foto: Museu Estatal Russo | © Kandinsky, Wassily)

No terceiro andar, destacam-se outros artistas contemporâneos cujos temas e estilo podem ser comparados com os de Kandinsky. Impressionam a beleza de Duas Meninas (1919), de Pavel Filónov, e O Lago dos Espíritos Montanheses (1909), de Grigóry Ivánovich Gúrkin. As cores vibrantes de Kandinsky saltam aos olhos em Improvisação 34 (1913).

Amigos de Kandinsky, como o russo Kazimir Malevich, um dos mentores do suprematismo, ganham espaço no segundo andar. Dele está em cartaz O Triunfo do Céu (1907). Expostos lado a lado, Dois Ovais (1919) e Crepuscular (1917) evidenciam como as cores eram importantes para o pintor. No primeiro quadro, cores primárias representam uma espécie de ritual de pesca. No segundo, os tons escuros dão ar melancólico à composição.

+ Marca Leica abrirá galeria de fotos em São Paulo

"Kandinsky foi único em dar expressão gráfica a sentimentos como a raiva e a angústia através da cor de seus quadros", diz Athayde. Conseguiu em pinceladas abstratas representar o subjetivo de cada pessoa.

Kandinsky
Improvisação Nº 11: pintura de 1910 (Foto: Museu Estatal Russo | © Kandinsky, Wassily)

Máscaras, colares, botas e outros acessórios de tribos do norte da Rússia, dependurados ao lado dos quadros, funcionam como uma referência cultural da época. Muitos desses itens aparecem pintados em alguns trabalhos. Vídeos ajudam a recompor a trajetória de Kandinsky, desde a infância em Moscou até a formação como advogado e a mudança para a Alemanha, onde lecionou na famosa Bauhaus, escola de design vanguardista.

Detalhes como fotos, livros e cartazes registram no subsolo a relação de amizade de Kandinsky com o compositor austríaco Schoenberg (inclusive há duas raras pinturas feitas pelo músico). E, como não podia faltar, há uma instalação multimídia na qual o visitante usa um óculos 3D e um fone de ouvido para "mergulhar" numa das obras mais conhecidas do russo, No Branco (1920), que finaliza o percurso.

Fonte: VEJA SÃO PAULO