Música

Justin Bieber leva fãs paulistanas ao delírio

Ídolo teen une pais e filhos em sua primeira apresentação na cidade

Por: Catarina Cicarelli - Atualizado em

Justin Bieber - Never Say Never
Justin Bieber: ídolo adolescente lota o Estádio do Morumbi de fãs empolgadas (Foto: Divulgação)

Nem chuva, atrasos e falta de energia impediram que o cantor Justin Bieber arrancasse gritos e mais gritos histéricos de suas fãs paulistanas neste sábado (8). A primeira apresentação do astro teen começou com 20 minutos de atraso, às 20h20, devido a um efeito dominó, por causa da demora de 30 minutos que grupo Cine levou para subir ao palco para a abertura do Z Festival. Engraçado, aliás, notar que aquele é um festival. Isso porque a sensação nos shows do Cine, The Wanted e Cobra Starship era de que elas não passavam de bandas de abertura.

+ Tudo sobre Justin Bieber em São Paulo

+ A fila de espera por Justin Bieber

+ As exigências de Justin Bieber no camarim

Justin foi o único a trazer para a cidade seu próprio palco, restando aos outros artistas se apresentarem na frente de uma enorme estrutura coberta com panos negros. Para completar, durante as outras apresentações os artistas não deixavam de perguntar se a plateia estava pronta para receber Bieber. E a tática era infalível para animar os fãs ansiosos. Afinal de contas, bastava olhar para as inúmeras bandas, faixas e bandeiras estampadas com o rosto do cantor e com declarações de amor para ver quem o público realmente queria ver.

Acompanhados dos pais, garotas e garotos lotaram o Estádio do Morumbi e nem se incomodaram com a chuva que caiu no fim da tarde e que causou queda de energia no bairro. A falta de luz não interrompeu as atividades no palco por causa de um gerador, mas o holofotes que costumam iluminar o gramado não funcionaram durante toda a noite. Em vez da luz branca, a iluminação ficou por conta de enorme quantidade de bastões coloridos piscantes, que davam ideia da enorme quantidade de pessoas que estavam ali — foram cerca de 60 mil espectadores.

Quinze minutos antes de a apresentação começar, o telão começou uma contagem regressiva. Aí foi a vez de Tay James, o DJ de Bieber, entrar para esquentar a plateia. Justin subiu ao palco vestindo uma roupa de couro vermelha e preta e óculos escuros para cantar "Love Me". O frisson quando ele apareceu foi grande, mas as meninas deliraram mesmo quando ele tirou os óculos de uma maneira sexy. O apelo de galã é claramente seu maior atrativo. Tinham sim muitos garotos na plateia, mas a maioria era sem dúvida de meninas. As fãs iam ao delírio quando ele fazia declarações ou o tradicional gesto de coração com as mãos - bem mais do que quando ele mostrava seus dotes vocais. O garoto aliás, só conseguia mostrar o que realmente era sua voz em músicas mais lentas, como no bloco acústico em que cantou "Never Let You Go", "Favourite Girl" e um pedaço de "Heartless", de Kanye West.

Justin abusou dos passos de dança. As referências a Michael Jackson eram muitas, incluindo o figurino, além de mostrar seu apreço pelo Rei do Pop ao cantar "Wanna Be Starting Something" e fazer o famoso "moonwalk". O show foi repleto de longas pausas de silêncio após o final das músicas. Quem mais tentava animar o público era Tay James e Justin seguiu apenas o roteiro da apresentação, com discursos que antecediam as canções. Como era de se esperar, em "One Less Lonely Girl" uma das garotas da plateia subiu ao palco e ganhou um buquê de rosas. Sentada em um banquinho, ela ouviu tímida as declarações de amor que estão na letra da música.

Mas o ponto alto da noite foi sem dúvida a cumplicidade entre pais e filhos que se pôde ver no estádio. Usando camisetas e bandanas, eles apoiavam o amor dos filhos por Justin e até cantavam as músicas. As mães eram as mais empolgadas, mas os pais não deixavam de dar uma força, principalmente na hora de ajudar os filhos mais pequenos a ver o palco colocando-os nos ombros — o que atrapalhou bastante a visão dos demais. Ao final do show, um pai quarentão falou para a filhinha, que devia ter uns 10 anos: "A gente devia fazer isso mais vezes".

Fonte: VEJA SÃO PAULO