Educação

Justiça manda Polícia Militar sair de sede do Centro Paula Souza

O prédio invadido na última quinta-feira (28) por estudantes que protestam contra a falta de merenda escolar em Escolas Técnicas do Estado de São Paulo (Etecs)

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Estudantes Centro Paula Souza
Estudantes ocupam o prédio do Centro Paula Souza, no centro: protesto contra a falta de merenda nas Etecs (Foto: Cris Faga/Fox Press Photo/Folhapress)

O juiz Luiz Manuel Pires, do Tribunal de Justiça de São Paulo, determinou que a Polícia Militar encerre qualquer ação de entrada na sede do Centro Paula Souza, que faz a gestão das Escolas Técnicas Estaduais (Etecs). Segundo decisão da tarde desta segunda-feira (2), a PM entrou no prédio sem ter sido comunicada oficialmente da liminar que permitia a reintegração de posse do imóvel, ocupado desde a semana passada.

+ Silvio Santos anuncia 'Bolsa Família' como nova atração do SBT

O juiz também quer saber do secretário de Estado da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, "se foi o responsável por 'adiantar' o cumprimento da ordem judicial com a determinação de ingresso da Polícia Militar no imóvel sem mandado judicial", segundo o despacho do juiz. Moraes tem 72 horas para explicar a ação da PM.

O Governo do Estado havia obtido uma liminar que autorizava a reintegração, mas na manhã desta segunda-feira, mesmo sem as partes terem sido oficialmente comunicadas da decisão, o secretário Moraes ordenou que uma equipe da polícia entrasse no prédio para acompanhar os funcionários.

+ Queda de Helicóptero mata duas pessoas em São Paulo

Os manifestantes comemoraram a decisão que suspendeu a reintegração de posse do imóvel. A polícia continua no local, com cerca de 35 homens protegendo a escada que dá acesso aos andares onde estão os funcionários.

A reportagem encaminhou pedido de esclarecimento à Secretaria de Segurança Pública sobre a decisão judicial. A reposta será acrescentada a esta reportagem, caso ela seja enviada.

Fonte: VEJA SÃO PAULO