Polícia

Justiça nega novamente habeas corpus a autor de cotovelada

Anderson Lúcio de Oliveira está preso desde o dia 19 de agosto, após imagens da agressão contra Fernanda Cézar Santiago terem sido divulgadas

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

O Tribunal de Justiça negou, pela segunda vez, o pedido de habeas corpus para o comerciante Anderson Lúcio de Oliveira, acusado de dar uma cotovelada na auxiliar de produção Fernanda Cézar Santiago. Os advogados vão recorrer no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

+ Mulher diz que levou cotovelada por causa de briga com vizinha

No pedido de liminar, o advogado afirma que o comerciante passa por contrangimento ilegal. No indeferimento, o relator contesta os motivos apresentados, mantém a prisão preventiva e afirma que a vítima poderia ter morrido. "Marcado pela agressão covarde à ofendida, que somente não resultou em sua morte porque recebeu pronto atendimento médico."

Anderson Oliveira foi preso temporariamente no dia 19 de agosto e teve sua prisão preventiva decretada um mês depois. Desde então, ele está no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Aparecidinha, em Sorocaba.

O caso foi registrado por uma câmera de segurança. Fernanda foi agredida quando estava com um grupo de amigos. Na gravação, é possível ver que ela gesticulava contra o agressor. Depois do golpe, Fernanda caiu no chão, bateu a cabeça e ficou desacordada. Ela foi socorrida por pessoas que estavam próximas, que acionaram o Corpo de Bombeiros. Oliveira ficou o tempo todo no local e aparece nas imagens bebendo cerveja.

Fernanda foi encaminhada para Hospital Regional de Sorocaba. Ela sofreu traumatismo craniano e passou 16 dias no hospital - a maior parte deles na UTI.

Em coletiva de imprensa após sair do hospital, Fernanda afirmou não se lembrar exatamente o que disse para o comerciante. "Discutir a gente não chegou a discutir, mas eu devo ter falado alguma coisa a respeito da Luzinete (parente de Anderson e vizinha de Fernanda)."

+ Confira as últimas notícias

Fonte: VEJA SÃO PAULO