Política

Justiça abre ação contra Marcelo Odebrecht e mais doze por corrupção

Esta é a primeira ação penal contra o presidente da construtora preso desde 19 de junho em etapa da Operação Lava-Jato

Por: Estadão Conteúdo

Marcelo Odebrecht,
Marcelo Odebrecht: empresário foi preso em São Paulo no dia 19 de junho (Foto: Bruno Poletti/Folhapress)

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava-Jato, abriu nesta terça (28) ação penal contra o empresário Marcelo Bahia Odebrecht, presidente da Construtora Odebrecht, e mais doze investigados por corrupção e lavagem de dinheiro.

Moro também recebeu denúncia do Ministério Público Federal contra executivos ligados à maior empreiteira do país - Marcio Faria da Silva, Rogério Araujo, César Ramos Rocha e Alexandrino de Salles Ramos de Alencar, Paulo Boghossian - o doleiro Alberto Youssef, o operador de propinas Bernardo Freiburghaus, os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Renato Duque (Serviço), o ex-gerente de engenharia da estatal Pedro Barusco e o funcionário da companhia Celso Araripe D'Oliveira.

+ Polícia prende quadrilha que falsificava cerveja

"Marcelo Bahia Odebrech seria o presidente da holding do Grupo Odebrecht e estaria envolvido diretamente na prática dos crimes, orientando a atuação dos demais, o que estaria evidenciado principalmente por mensagens a eles dirigidas e anotações pessoais, apreendidas no curso das investigações", disse Moro.

+ Justiça diz que projeto de ciclovias não é "leviano nem ilegal"

Esta é a primeira ação penal contra Marcelo Odebrecht preso desde 19 de junho. A empreiteira nega envolvimento com o cartel instalado na Petrobras e pagamento de propinas.

+ Confira as principais notícias da cidade

A Operação Erga Omnes, que teve como alvos os executivos das construtoras Odebrecht e Andrade Gutierrez, é um desdobramento da Operação Juízo Final, de 14 de novembro de 2014. Na ocasião foram denunciados os executivos do primeiro pacote de investigados do núcleo empresarial do esquema de corrupção na Petrobras.

Fonte: Estadão Conteúdo