Educação

Justiça propõe abono de 28,6% para grevistas da USP

A recomendação, porém, não foi suficiente para a universidade e funcionários chegarem a um acordo; proposta voltará a ser discutida na próxima semana

Por: VEJA SÃO PAULO

Protesto USP
Alguns trabalhadores da USP estão de braços cruzados desde o final de maio (Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Folhapress)

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) sugeriu em audiência de conciliação na quinta-feira (4) que a Universidade de São Paulo (USP) pague um abono de 28,6% sobre o salário de maio, data-base-dos trabalhadores. Os servidores estão em greve há mais de 100 dias.

+ Greve afeta 80% da capacidade do Hospital Universitário

De acordo com a proposta, o abono seria pago dez dias após assinatura do acordo entre universidade e grevistas. O TRT determinou ainda que o reajuste salarial seja de 5,2%, proposto pela reitoria, para corrigir a inflação de 12 meses.

No entanto, não houve consenso. Funcionários e professores pedem um aumento de 9,78%. Durante a reunião de quinta-feira, porém, mostraram-se inclinados a aceitar um reajuste de 7,34%, indicado pelo Ministério Público do Trabalho.

+ Confira as últimas notícias da cidade

A proposta de abono e reajuste será discutida em assembleia dos funcionários na próxima segunda-feira (8). O tema também será analisado pela USP, na terça-feira (9), em reunião do Cruesp (Conselho de Reitores de USP, Unicamp e Unesp).

Fonte: VEJA SÃO PAULO