Gente

Cercado por seguranças, juiz Sergio Moro jantou no Bistrô Charlô

O magistrado esteve no badalado restaurante paulistano depois de participar de um evento dedicado ao combate da corrupção

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

Sergio_Moro-Charlo1
Whately ao lado de Moro: uma das selfies da noite (Foto: Reprodução Instagram)

Ontem (28), o juiz Sergio Moro trocou Curitiba por São Paulo para fazer uma participação em um simpósio sobre combate à corrupção realizado na Procuradoria Regional da República, da Terceira Região, na Bela Vista. Aproveitou a noite livre para jantar no restaurante Bistrô Charlô, nos Jardins. A reserva foi feita para as 20h30, mas Moro e seus acompanhantes chegaram somente às 21h20. No horário, estavam por lá cinco seguranças que inspecionaram todo o restaurante, inclusive a área de eventos que estava fechada. Mas a vistoria não foi só nessa noite. Três dias antes, os responsáveis pela integridade de Moro já tinham estado no Charlô e percorerram todos os espaços, da cozinha aos banheiros.

Convidado do economista Affonso Celso Pastore, o magistrado da Lava Jato dividiu a mesa com outras seis pessoas, entre elas dois juízes italianos, um dos quais o ex-procurador Piercamillo Davigo – que atuou, nos anos 90, na Operação Mãos Limpas. Também estava ao lado dele o procurador Deltan Dallagnol.

Ao mesmo tempo que Moro saboreava com tranquilidade um nhoque à carbonara, molho mais comum em massas secas como espaguete, os seguranças jantaram na varanda em frente ao salão e de forma alternada. Enquanto três comiam, o restante permaneceu de prontidão. Os pratos escolhidos para todos eles foi o turnedô com mostarda de Dijon e batata.

Em sua primeira visita ao Bistrô Charlô, Moro pulou a sobremesa, mas beliscou na entrada os croquetas de presunto cru, os croquetes de carne e a coxinha. Os pratos foram acompanhados por quatro garrafas do tinto Vinho Villa Antinori, produzido na região italiana da Toscana, e trazido da adega pessoal do próprio Pastore. Nas lojas especializadas, a garrafa da safra 2013 têm preço médio de 190 reais.

Embora a refeição tenha sido muito tranquila, Moro não se queixou em posar para fotos ao fim da refeição, por volta das 23h30. Afinal, os fãs do cabeça da Lava Jato adoram posar a seu lado e postar nas redes sociais. Nem o proprietário do restaurante, Charlô Whately, resistiu a um clique.

Nesse mesmo dia no almoço, Moro passou pelo Ristorantino entre 12h30 e 14h30. Fã de culinária italiana, pediu uma salada verde seguida da lasanha da casa, com recheio de carne moída e mussarela de búfala. Para beber, ficou apenas na água. Teve tempo ainda para fazer uma foto com o proprietário Ricardo Trevisani.

Sérgio Moro
Moro ao lado de Trevisani: fã de culinária italiana (Foto: Reprodução/Instagram )

Fonte: VEJA SÃO PAULO