Justiça

Juiz nega liberdade a monitor de escola acusado de estuprar crianças

Antonio de Assis, de 44 anos, está preso desde maio. Pais de alguns alunos acreditam que ele seja inocente

Por: Veja São Paulo

Protesto Mackenzie Pedofilia
Manifestação a favor da liberdade de Assis foi realizada nesta segunda  (Foto: Fabio Braga / Folhapress)

A Justiça de São Paulo negou o pedido de liberdade de um ex-monitor de uma escola de Barueri (Grande São Paulo) preso acusado de estuprar três crianças. Com a decisão do desembargador Cardoso Perpétuo, Antonio de Assis continuará preso até o seu julgamento, que ainda não tem data para acontecer. O pedido de habeas corpus havia sido feito na segunda-feira (24).

Assis, de 44 anos, está preso em Guarulhos desde 9 de maio com base em relatos de três crianças de 3 anos, que disseram, segundo os acusadores, terem sido tocadas por ele. Em entrevista ao Fantástico, no último domingo (23), ele negou as acusações.

Na segunda-feira (24), um grupo de pais realizou ato em defesa do monitor. Como não há prova em vídeo, em exame sexológico ou testemunhas, muitas das famílias defendem que a acusação é injusta. Ressaltam que o homem trabalhava ali havia anos e sempre manteve boa reputação. Acreditam em um mal entendido: as crianças se assustaram depois que ele interpretou um "menino malvado" em uma peça teatral, na época da Páscoa. 

A escola não comenta o caso. 

+ ÚLTIMAS NOTÍCIAS: o que acontece de mais importante na cidade

+ A história da ex-modelo que perdeu tudo para o crack

Fonte: VEJA SÃO PAULO