Comportamento

Aflições paulistanas: jovens adultos que não amadurecem

Os números apontam que hoje muitos homens e mulheres continuam morando com os pais

Por: Daniel Bergamasco

Capa 2281 - Aflições paulistanas - Filhos
Eloisa Penna: "viver na casa da mãe não é ruim em si, mas se torna problemático quando o filho continua a agir como criança" (Foto: Ilustração: Negreiros)

Na região metropolitana de São Paulo, 31% das pessoas entre 25 e 34 anos ainda moram com os pais. O número é superior à média nacional (27%), que cresceu 40% nas últimas duas décadas, segundo levantamento da demógrafa Regiane Carvalho. “Viver na casa da mãe não é ruim em si, mas se torna problemático quando o filho continua a agir como criança”, entende Eloisa Penna. “A mágica da comida que vai direto da geladeira para o prato é atraente, mas há a angústia de estar perdido, sem autonomia.”

+ Conheça as dez aflições paulistanas

+ Rosely Sayão dá dicas aos pais sobre educação das crianças

Muitos aguentam a situação, porém, porque querem começar a vida no padrão que os pais levaram anos para alcançar. Então continuam deixando as coisas iguais. “Em troca desse conforto, acabam vivendo de uma forma precária”, afirma o psicanalista Christian Dunker. “Tudo parece difícil e o comportamento se reflete em várias áreas, como a profissional. Surgem, por exemplo, falsos dilemas vocacionais: fazem curso de cinema, mas acham injusto começar como segundo assistente. Longas temporadas de estudo para concurso público ou pós-graduações às vezes são esconderijos de quem está nessa situação.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO