Notícias

Jovem é morto a tiros após briga em bloco de carnaval em Bertioga

De acordo com a polícia, o autor dos dois tiros já foi identificado e está preso

Por: Estadão Conteúdo

Crime Bertioga
De acordo com a polícia de Bertioga, o crime teria sido cometido pelo soldador Jefferson Menezes Reis da Silva, de 23 anos, que está preso (Foto: Reprodução/TV Tribuna)

O estudante Kevin Christian Silva Carvalho, de 18 anos, foi morto com dois tiros na madrugada de sábado (4), em Bertioga, litoral sul de São Paulo, após uma briga generalizada, depois da passagem de um bloco de carnaval pelas ruas da cidade. De acordo com a polícia, o crime teria sido cometido pelo soldador Jefferson Menezes Reis da Silva, de 23 anos, que está preso.

Em nota, a Prefeitura de Bertioga informa que o bloco 'Das Vagabundas' percorreu as imediações do bairro Forte São João e acabou por volta de 22h da sexta (3). Durante a dispersão houve uma briga generalizada na Avenida Tomé de Souza.Conforme informações do boletim de ocorrência, o estudante morto estaria envolvido na confusão e um amigo do atirador acabou ferido na pancadaria.

A Polícia Civil de Bertioga afirma que o soldador não participou da briga e deixou o local sem abordar nenhum dos envolvidos, mas voltou armado por volta de 4h de sábado. De acordo com testemunhas, o acusado foi diretamente em direção ao estudante, que estava em uma pista de skate na orla da cidade, disparou três vezes e fugiu. Kevin Christian Silva Carvalho foi levado por populares ao pronto-socorro, mas morreu enquanto recebia atendimento.

+ Confira as últimas notícias de São Paulo

Após investigações, o soldador Jefferson Menezes Reis da Silva foi preso no mesmo dia em sua residência, no bairro Jardim Albatroz I, também em Bertioga.Segundo a polícia, ele nega a autoria do crime, mas já foi reconhecido por testemunhas e passou por exame residuográfico. A arma ainda não foi localizada. O acusado foi autuado em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil e emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima.

Fonte: VEJA SÃO PAULO