Saúde

Jovem de 18 anos morre após aplicar hidrogel no pênis

Garoto foi levado na noite de sexta (24) ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, mas não resisitiu

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto
Hospital das Clínicas de Ribeirão onde jovem foi atendido (Foto: Divulgação)

Um jovem de 18 anos morreu na noite de sexta (24), em Ribeirão Preto, após injetar hidrogel no pênis. O rapaz deu entrada no Hospital das Clínicas da cidade no fim da tarde e morreu quatro horas depois. 

No boletim de ocorrência, consta que a causa da morte foi uma embolia pulmonar. Segundo especialistas, isso pode acontecer quando o produto é injetado em um vaso sanguíneo. 

O hidrogel teve a a importação e a comercialização proibidas no Brasil após o caso com a modelo Andressa Urach no final do ano passado. A gaúcha ficou internada em um hospital no Rio Grande do Sul devido a complicações ocosionadas pela aplicação da substância. Hoje recuperada, a modelo chegou a aplicar 500 mililitros de hidrogel em cada perna. Antes do veto, o uso do produto era recomendado somente para o preenchimento de rugas na face e no pescoço. No entanto era bastante difundido seu uso para aumentar o volume de glúteos e pernas. 

+ Quais são os riscos do hidrogel

andressa-urach-hidrogel-1
Nas redes sociais, Andressa exibiu edema nas pernas, em decorrência da aplicação do hidrogel (Foto: Reprodução/Instagram)

"Muito aplicam o hidrogel para aumentar o volume de partes do corpo. O corpo humano, porém, é feito para combater qualquer corpo estranho dentro do organismo", afirma Sheila Gonçalves, diretora técnica da Medicatriz Dermocosméticos, que é farmacêutica e pós-graduada no setor de cirurgia plástica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 

+ Andressa Urach: "Nasci de novo"

Embora o produto esteja vetado pela Anvisa, as clínicas que tinham estoque ainda podem fazer sua aplicação. Ele também é facilmente encontrado em sites na internet. Apenas médicos podem realizar a manipulação da substância. Biomédicos ou clínicas de estéticas não são autorizados a realizar este tipo de procedimento.

Fonte: VEJA SÃO PAULO