Restaurante

Churrascaria Johnnie Pepper assa cortes ao estilo dos Estados Unidos

Os cortes, em vez de assados no carvão, são preparados no char broiler, a grelha a gás

Por: Arnaldo Lorençato - Atualizado em

Johnnie Pepper_2176
Iluminação natural: o agradável salão tem pé-direito de 8 metros e telhado de vidro (Foto: Mario Rodrigues)

De cardápio semelhante ao de redes como a Outback Steakhouse, o Johnnie Pepper surgiu no Rio de Janeiro em 2007. Em maio, abriu sua primeira filial paulistana, no Itaim. O mais agradável dos cinco ambientes da casa ocupa um salão com 8 metros de pé-direito coberto por teto de vidro e adornado por um jardim vertical. Os cortes, em vez de assados no carvão, são preparados no char broiler, a grelha a gás.

Uma versão do t-bone sem osso vai à mesa em dois pedaços, um de filé-mignon e outro de contrafilé (R$ 49,00). Embora estivesse no ponto certo no dia da visita, a falta de sal era evidente. Pedida sem erro, a costelinha de porco leva o nome de baby back ribs (R$ 44,00). Depois de ficar no forno por seis horas, passa pela churrasqueira e chega desmanchando, besuntada de molho barbecue. Essas sugestões dão direito a uma das saladas, entre elas a da casa (alface-romana ao molho de parmesão coroada de anéis de cebola), e uma guarnição, caso do purê de batata ao alho. O menu traz ainda hambúrgueres, peixes e massas.

Das sobremesas, o julie’s häagen-dazs brownie (R$ 25,00, para dois) compõe-se de bolo de chocolate quente, sorvete de macadâmia e chantilly salpicado de castanhas. Limitada, a carta de vinhos inclui o argentino Kaiken Reserva Cabernet Sauvignon 2007 (R$ 48,00). No Dia dos Pais, eles ganham um chope Brahma.

COMIDA ✪✪✪ | AMBIENTE ✪✪✪ | SERVIÇO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO