Política

João Doria Jr. usou offshore para comprar apartamento em Miami

Incorporada em um paraíso fiscal, uma offshore foi usada pelo tucano para adquirir um imóvel em Miami sem que a propriedade aparecesse em seu nome

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

João Doria Jr
João Doria Jr.: o candidato à Prefeitura pelo PSDB (Foto: Ricardo D'Angelo/VEJASP)

O pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, João Doria Jr., comprou uma empresa de prateleira do escritório panamenho Mossack Fonseca. Incorporada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, a offshore Pavilion Development Limited foi usada pelo tucano para adquirir um apartamento em Miami (EUA) em 1998, por 231 000 dólares, sem que a propriedade aparecesse em seu nome.

+ Teto desaba em shopping da capital

O Estado de S. Paulo encontrou contratos, procurações e cópia de passaportes de Doria e sua mulher, junto a mensagens de e-mail referentes à compra da offshore, dentre os 11,5 milhões de documentos dos Panama Papers, divulgados pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). A série provocou a queda do primeiro-ministro da Islândia e revelou esquemas de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio em dezenas de países.

Comprar ou abrir uma offshore não é ilegal, desde que a empresa seja declarada à Receita Federal no Brasil. Nelson Wilians, advogado de Doria, mostrou à reportagem uma das 27 páginas da declaração de bens de seu cliente no Imposto de Renda de 2016 na qual a Pavilion Development aparece declarada. Mas não atendeu ao pedido da reportagem para mostrar as declarações de IR de 1998, quando Doria comprou a offshore, e dos anos posteriores. O advogado disse que elas serão apresentadas à Justiça Eleitoral se Doria vier a ser formalizado como candidato.

A história da offshore de Doria começa em 15 de abril de 1998, quando ele compra a Pavilion da Mossack Fonseca, em negócio intermediado pela advogada brasileira Luciana Haddad Hakim. À época, o capital da offshore era de 12 000 dólares, dividido em 12 000 ações. Foram emitidos seis certificados ao portador. Os diretores da corporação eram João Agripino da Costa Doria (presidente) e sua mulher, Beatriz Maria Bettanin Doria (vice).

+ Irmãs usam WhatsApp para planejar assalto ao próprio pai

Menos de três meses depois, a Pavilion Development se tornou proprietária de um apartamento de dois quartos no apart-hotel Mutiny On The Bay, de frente para o mar, em Miami. Nos documentos do Dade County, a venda foi registrada por 231 000 dólares. Pela legislação brasileira, toda remessa ao exterior a partir de 100 000 dólares deve ser registrada no Banco Central.

Segundo seu advogado, Doria não fez remessas. Pagou a entrada de 30 000 dólares com uma permuta feita no Brasil, e o restante foi financiado em trinta anos nos EUA. O advogado diz que as parcelas do financiamento, de 2 056 dólares por mês, são pagas com rendimentos da locação do imóvel. A diária de um apartamento no Mutiny On The Bay custa 243 dólares. Para pagar a mensalidade, Doria precisaria alugar o apartamento por nove dias ao mês, pelo menos.

A offshore de Doria não realizou outros negócios até dezembro 2009, quando sua advogada à época, Luciana Hakim, cogitou fechá-la, em correspondência enviada à Mossack Fonseca. Nesse mesmo mês daquele ano, estava prevista uma importante mudança na legislação das Ilhas Virgens Britânicas: acabariam as ações ao portador de empresas offshore, e passaria a ser necessário registrar nos certificados de ações o nome do proprietário.

Em vez de fechá-la, Doria transferiu as ações da offshore em 8 de dezembro de 2009 para o Pavilion Trust, cujo endereço é o mesmo de outras empresas de Doria no Brasil, na Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo. O nome de contato para assuntos relativos ao trust, segundo correspondência da advogada com a Mossack Fonseca, é o de uma funcionária de confiança de Doria, Celia Matias Pompeia. Simultaneamente, o capital da offshore aumentou para 50 000 dólares, divididos em 50 000 ações.

O trust é um jeito de colocar patrimônio sob confidencialidade - os beneficiários não são legalmente donos dos bens que o Trust administra - e um mecanismo para transferir legado financeiro para sucessores (filhos e cônjuge, por exemplo) sem necessidade de pagar imposto sobre herança. Em caso de morte de um dos beneficiários, os demais continuam usufruindo dos bens. Pelos registros da Mossack Fonseca, a Pavilion Development Limited continuava ativa até o ano passado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

+ As principais notícias da cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO