Exposições

Oito coisas que você não sabia sobre o Miró

E irá descobrir na mostra dedicada ao pintor catalão em cartaz no Tomie Ohtake

Por: Laura Ming - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

O catalão Joan Miró (1893-1983) é um dos pintores mais famosos de sua época. Facilmente reconhecidos, seus traços de cores primárias tornaram-se uma marca registrada no mundo todo. Visitamos a mostra Miró – A Força da Matéria, em cartaz no Instituto Tomie Ohtake, e selecionamos oito curiosidades sobre sua produção que devem surpreender até os iniciados no surrealismo. Confira a lista:

1. Miró ficou famoso pela pintura, mas costumava dizer que queria assassiná-la. Não, não era raiva no coração, ele não se entusiasmava mais pela  pintura clássica, por isso experimentou materiais tão distintos como embalagens, restos de madeira e até o fogo para fazer suas obras.

2. Ele tinha o hábito de furtar os brinquedos do neto a fim de usar as peças para construir esculturas. Uma cabecinha de boneca aparece colada em uma grande lata de alumínio numa de suas criações. Até um barquinho de Joan Punyet, seu neto, foi surrupiado e se tornou parte de uma obra.

3. Todas as esculturas são únicas. Miró usava um molde de cera (é possível ver todo o processo em um vídeo) que, após a produção da obra, era destruído.

Miró
El Oro del Azur (Foto: Successión Miró, Miró, Joan Autvis, Brasil, 2015)

4. Os trabalhos mais conhecidos costumam ser telas monocromáticas, mas ele era um inovador e chegou a pintar sobre telas antigas. Na mostra é possível ver duas paisagens bens clássicas que foram cobertas por suas pinceladas pretas poderosas.

5. Os traços podem parecer rabiscos, asteriscos ou bolinhas, mas bem provavelmente são estrelas, pássaros ou mulheres, os três temas recorrentes ao longo de sua trajetória.

+ Masp revê seu acervo e reúne modernistas em nova mostra

6. Miró foi classificado por especialistas e críticos como surrealista, mas ele entrou em contato com outros movimentos e até flertou com o cubismo, expressionismo abstrato e até a pop art. 

7. Seu dedo virava pincel. O instrumento tradicional, claro, foi muito utilizado, mas outro vídeo em cartaz mostra o artista pintando livremente com as mãos.

8. Não pague mico na hora de pronunciar seu nome: se em todo esse tempo você estava gastando seu espanhol ao falar “Ruan” Miró, pronunciando o J com o som de R, como se faz em castelhano, saiba que você está enganado. Miró era catalão e, nesse idioma, o J é pronunciado como... J mesmo, como em João, ou seja, Joan.

Fonte: VEJA SÃO PAULO