Tecnisa Apresenta

O que há de melhor por perto do Jardim das Perdizes

O novo bairro da capital oferece opções que vão das obras do Galpão Fortes Vilaça às receitas do Petí Gastronomia

Por: - Atualizado em

Petí Gastronomia
O chef Victor: menu contemporâneo (Foto: Mario Rodrigues)

1. COMER BEM E GASTAR POUCO

Escolhido o melhor restaurante bom e barato da cidade por VEJA COMER & BEBER, o minúsculo e charmoso Petí Gastronomia tem novidades no menu. Além do almoço completo a 43,50 reais, o chef Victor Dimitrow oferece agora um jantar a 90 reais, apenas às quartas. Fique de olho: é imprescindível reservar. Rua Cotoxó, 110, telefone: 3873-0099.

+ Oito destinos bate e volta para ir no feriadão

2. ANTIQUÁRIO DO DESIGN

O galpão (bem) escondido da loja Herança Cultural é um parque de diversões para quem procura móveis assinados por nomes consagrados, como Sergio Rodrigues e Zanine Caldas. Os produtos das décadas de 40 a 70, principalmente, podem ser adquiridos no estado atual ou após restauração. Agende o horário de visitação por telefone. Marginal Tietê, 810, telefone: 4321-8166.

3. PIQUENIQUE ORGÂNICO

Mesões e bancos de madeira tratada no Parque da Água Branca convidam para um lanche ao ar livre em família. Quem não estiver preparado para o piquenique pode se abastecer antes na feirinha de produtos orgânicos, montada por lá às terças, sábados e domingos. Avenida Francisco Matarazzo, 455.

Deep Bar 611
O Deep Bar 611: pub badalado (Foto: Raul Zito)

4. PUB SEM FRESCURA

Escurinho, o Deep Bar 611 é um achado na Barra Funda. Rock e blues rolam na trilha sonora enquanto o pessoal beberica chopes nacionais e cervejas em garrafa, caso da belga Maredsous 10 Tripel (34 reais; 330 mililitros). Para petiscar, o menu da casa tem opções como o bolinho à moda alemã preparado com um mix de carnes suína e bovina (20 reais a porção). Rua Barra Funda, 611, telefone: 4304-0611.

+ Festa de São Vito: o que dá para comer por lá

5. PASSEIO HARMONIZADO

Na entrada do restaurante Ecully fica uma loja de vinhos da importadora Grand Cru. Para acompanhar receitas como o tamboril com legumes (59,90 reais), dá para escolher os rótulos da carta ou direto da prateleira. Rua Cotoxó, 493, telefone: 3853 3933.

Memorial de América Latina
O Memorial: shows e exposições (Foto: Sergio Tauhata)

6. PONTO TURÍSTICO

Marcado por uma mão de 7 metros de altura, o conjunto arquitetônico do Memorial de América Latina foi projetado por Oscar Niemeyer. Abriga shows, exposições e eventos especiais. Neste sábado (28) e no domingo (29), aproveite por lá o festival da sopa. Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664, telefone: 3823-4600.

OpyCo
O ambiente do OpyCo: informal e moderninho (Foto: Ricardo D'Angelo)

7. À LA LINA BO BARDI

Inspirado nas criações da arquiteta modernista, o salão do OpyCo combina com os pratos de pegada brasileira do chef e sócio Piero Franchini, como a copa lombo coberta por uma deliciosa pururuca ao lado de mostarda de maracujá (32 reais). Rua Mariquita de Toledo César, 20, telefone: 2389-9455.

Lá da Vendinha
Pudim de tapioca: no Lá da Vendinha (Foto: Mario Rodrigues)

8. COMO NO INTERIOR

Heloisa Bacellar abriu uma pequena loja no mesmo endereço onde fabrica suas guloseimas. Batizada de Lá da Vendinha, a casa serve boa parte dos quitutes disponíveis na matriz, na Vila Madalena, só que por um preço até 20% mais baixo. Vai bem com um cafezinho o pudim de tapioca (12 reais). Rua Lopes Chaves, 402-A, telefone: 3868-1407.

Galpão Fortes Vilaça
O Galpão Fortes Vilaça: espaço de 1 500 metros quadrados (Foto: Eduardo Ortega)

9. ARTE GRANDIOSA

No Galpão Fortes Vilaça, a galeria de matriz na Vila Madalena dispõe de um espaço mais amplo para comportar grandes obras e guardar o acervo. Até 18 de junho, está em cartaz a mostra Paleotoca, do carioca Barrão. Rua James Holland, 71, telefone: 3392-3942.

10. O SESC DO BAIRRO

Uma antiga fábrica de tambores virou um dos mais bem-sucedidos espaços públicos de lazer da metrópole, o Sesc Pompeia. Até 31 de julho, a megaexposição do poeta concreto Augusto de Campos é parada obrigatória para quem passar por ali. Rua Clélia, 93, telefone: 3871-7700.

Fonte: VEJA SÃO PAULO