Política

Itamaraty faz cartilha para gays no exterior

Documento orienta integrantes que vivem foram do Brasil a terem “comportamento discreto"

Por: Estadão Conteúdo

Parada Gay
Segundo o subsecretário Geórgenes Marçal Neves, da Divisão de Assistência Consular (DAC) do Itamaraty, a cartilha serve de alerta para brasileiros sobre países, zonas e comunidades estrangeiras nos quais a homossexualidade é considerada crime ou sofre restrições sociais (Foto: Avener Prado/FolhaPress)

O Itamaraty finaliza cartilha de dezoito capítulos dirigida à comunidade LGBT brasileira no exterior. O documento apresentado na quarta (18) na 5ª Conferência de Brasileiros no Mundo, que vai até a sexta (20), em Salvador, orienta integrantes da comunidade que vivem fora do Brasil ou que estejam em viagem a terem "comportamento discreto" dependendo do país de moradia ou destino.

A cartilha, segundo o subsecretário Geórgenes Marçal Neves, da Divisão de Assistência Consular (DAC) do Itamaraty, que organiza o texto, serve de alerta para brasileiros sobre países, zonas e comunidades estrangeiras nos quais a homossexualidade é considerada crime ou sofre restrições sociais.

+ Estação Júlio Prestes ganha obra de arte de músico da Sala São Paulo

O Brasil tem, segundo dados citados na Conferência, cerca de 200 000 integrantes da comunidade LGBT no exterior. A projeção tem como base o porcentual de LGBTs declarados no País, que varia de 8% a 10% da população.

Beto de Jesus, diretor da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Travestis (ABGLT), e dirigente da Associação Internacional de Gays e Lésbicas (Ilga), criticou essa estimativa. "Não há como fazer esse cálculo", disse Jesus. "Qualquer número é chute", afirmou.

Jesus declarou ainda que considera a iniciativa do Itamaraty "interessante" para a comunidade. Mas destacou que as entidades não participaram do documento. "Eu não conheço essa cartilha. Isso é estranho", afirmou o representante da comunidade LGBT.

O diretor da ABGLT disse que não concorda com a abordagem de "comportamento discreto". No entanto defendeu que gays tenham cuidado e se preocupem em observar os costumes e as leis dos países que visitam "para evitar problemas". Ele lembrou que em locais como o Egito há gays que até evitam falar a palavra em inglês, como precaução. "Eu, pessoalmente, não viajo para esses países."

+ Paralisação de ônibus afeta 1,5 mi na capital

Jesus acrescentou que as entidades LGBT também editam cartilha sobre o tema, atualizada todos os anos no dia 17 de maio, data mundial de combate à homofobia e ao preconceito. "No nosso material temos uma lista de países com legislação punitiva", afirmou.

Preliminar

De acordo com o diplomata responsável pela cartilha, o documento do Itamaraty ainda está em fase de recebimento de comentários e colaborações na Conferência. Mas ele ressaltou que os brasileiros precisam conhecer hábitos, costumes e a legislação de países que tratam a causa LGBT de forma diferente da vivida no Brasil. Na Conferência, transmitida ao vivo na internet, Neves comentou o caso de duas travestis que se sentiram discriminadas em uma boate de um país árabe e foram reclamar da casa noturna à polícia - a homossexualidade é crime naquele país. "E as travestis foram presas", contou.

Segundo o embaixador Carlos Alberto Simas Magalhães, chefe da Subsecretaria de Comunidades Brasileiras no Exterior, que dirigiu os trabalhos na quarta-feira, a cartilha já foi lida por ele, "mas ainda está em preparação e há muitas dúvidas sobre o conteúdo".

+ Estação Júlio Prestes ganha obra de arte de músico da Sala São Paulo

Consulados

Entre os temas tratados no segundo dia da 5ª Conferência esteve também o debate sobre a iniciativa do Itamaraty de expandir o incentivo à criação de consulados honorários do Brasil.

Segundo a ministra Luiza Lopes da Silva, diretora do Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior, o projeto-piloto para a formação desse tipo de representação foi desenvolvido com sucesso pelo embaixador Ernesto Otto Rubarth, de Vancouver, que criou serviço de atendimento por Skype com consulados honorários no Canadá.

+ Confira as últimas notícias 

Fonte: VEJA SÃO PAULO