Memória

Isaac Karabtchevsky será homenageado com concertos e um documentário

A TV Cultura oferece este mês uma programação em homenagem o maestro pop de 80 anos

Por: Maurício Xavier

Isaac Karabtchevsky
Na regência da ópera "Sansão e Dalila", no Theatro Municipal, em 1989: grandes espetáculos (Foto: Flavio Barcellar)

A TV Cultura oferece, neste mês, uma programação em homenagem a Isaac Karabtchevsky. Nos dias 7, 14 e 21, às 21h30, a emissora exibirá gravações inéditas de concertos com o maestro à frente da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) e da Sinfônica de Heliópolis, com peças de Heitor Villa-Lobos, Richard Strauss e Gustav Mahler. No dia 28, será apresentado um documentário sobre sua trajetória. 

+ Galeria do Rock pode virar patrimônio e ganhar museu

Com 80 anos recém-completados, Karabtchevsky nasceu na capital, é filho de imigrantes russos de origem judaica e passou a infância na Vila Mariana. Começou tocando oboé e, aos 23 anos, ganhou uma bolsa para estudar em Freiburg, na Alemanha, com o compositor francês Pierre Boulez. Em 1967, tornou-se regente da Orquestra Sinfônica Brasileira, cargo em que permaneceu por mais de duas décadas. Em seguida, ocupou o posto de diretor musical do Theatro Municipal de São Paulo.

Karabtchevsky
Com Roberto Carlos, na TV Globo, em 1971: sucesso na fusão entreo popular e o erudito (Foto: Ademar Veneziano)

+ Tomie Ohtake foi a grande dama da arte

Alcançou reconhecimento também no exterior, como maestro titulardo Teatro La Fenice, de Veneza (Itália), do Pays de la Loire, de Paris (França), e da Tonkünstler, de Viena (Áustria). Ficou famoso para o grande público nos anos 70, ao dirigir o Projeto Aquarius, que atraiu multidões a shows de música clássica ao ar livre, e com a apresentação do Concertos para a Juventude, ambos na TV Globo. Na década de 80 era convidado frequente do programa Um Toque de Classe, da extinta TV Manchete. No último Carnaval, foi homenageado no samba-enredo da escola carioca Unidos de Vila Isabel. Trabalha atualmente como diretor artístico da Orquestra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Fonte: VEJA SÃO PAULO