Shows

Iron Maiden conquista o público com provocações sobre o Rock in Rio

Com repertório saudosista e pirotecnia, a banda inglesa satisfez desejos dos fãs em show que teve até brincadeira com festival carioca onde se apresentam no domingo (23)

Por: Tiago Faria - Atualizado em

Iron Maiden - Show no Anhembi em 20-9-13
Show do Iron Maiden no Anhembi (Foto: Heitor Feitosa)

“Rock in São Paulo soa até um pouco melhor que Rock in Rio, não?”. A maior parte dos 60 000 fãs que lotaram o show do Iron Maiden no Anhembi, na noite de sexta (20), levou ao pé da letra a provocação bem humorada do vocalista Bruce Dickinson. Dois dias antes da apresentação dos ingleses no festival, a “torcida” paulistana da banda – cuja faixa etária vai dos 10 aos 60 anos de idade – comprovou com entusiasmo que, mesmo sem álbum novo ou hits nas paradas de sucesso, os veteranos do heavy metal não perdem a majestade.

+ Em show de Iron, tiozinhos e crianças se misturam

Atender todos os desejos dos seguidores, aliás, é um dos segredos da fórmula eficiente do sexteto, que revive o próprio passado com pirotecnia e cenários com um quê teatral. O saudosismo, no caso, não é nada acidental: a turnê Maiden England reaproveita elementos da 7th Tour of the 7th Tour, de 1988, que divulgou o disco Seventh Son of a Seventh Son. Não à toa, o setlist é quase todo composto por hits da década de 1980, quando o grupo foi descoberto pelos brasileiros em uma passagem eletrizante pelo primeiro Rock in Rio (1985).

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Quase trinta anos depois, o Iron Maiden mudou muito pouco – o que, para seus admiradores, parece contar como um elogio. No palco, eles criam “versões ampliadas” para as capas de seus discos e ilustram as músicas com bonecos gigantes que se movem e, em alguns casos, disparam chamas a poucos metros dos músicos. Fogos de artifício em diversas cores e telões cristalinos, que exibiam imagens de geleiras despencando e insetos, atualizam o espetáculo. Mas o essencial não sofre alteração: a energia de Dickinson, 55 anos, que explora cada desnível do palco rodopiando e trocando de figurinos, e a habilidade de instrumentistas competentes como o baixista Steve Harris, 57, e o guitarrista Dave Murray, 56.

+ Iron Maiden reúne gerações de fãs em show no Anhembi

O script não permite surpresas – eles seguem o planejado até no bis, com Aces High, The Evil the Men Do e Running Free. Dickinson, no entanto, aproveita cada brecha para conversar rapidamente com o público, repetir meia dúzia de vezes a frase “Scream for me, Brasil!” (em português: grite para mim, Brasil) e inserir “cacos” no roteiro. Em meio aos climas cavernosos de Phantom of the Opera, chegou a elogiar o churrasco brasileiro e as caipirinhas. “Nós trouxemos fogos de artifício e umas roupas que já estão um pouco velhas, mas tudo bem”, brincou, com sotaque britânico carregado.

A plateia, uniformizada de preto e em clima de confraternização da “família metal”, respondeu à altura, em coro, em faixas como Run to the Hills e Can I Play with Madness. Nesses momentos, o som embolado do Anhembi não chegou a incomodar – mais prejudicados nesse quesito técnico ficaram as bandas que antecederam o Iron, o Slayer e o Ghost. No clímax do show, uma versão gigante do mascote Eddie simulou a capa do disco Seventh Son of a Seven Son. “Amanhã estaremos no Rio. Vamos ver o que acontece”, disse Bruce. Quando ouviu as vaias de deboche da plateia, livrou-se rapidamente da saia-justa. “Rock in Rio? F*-se”, completou, desta vez sob aplausos e gritos de “Mêi-den! Mêi-den!”.

Confira o setlist completo do show:

 

  1. Moonchild
  2. Can I Play with Madness
  3. The Prisoner
  4. 2 Minutes to Midnight
  5. Afraid to Shoot Strangers
  6. The Trooper
  7. The Number of the Beast
  8. Phantom of the Opera
  9. Run to the Hills
  10. Wasted Years
  11. Seventh Son of a Seventh Son
  12. The Clairvoyant
  13. Fear of the Dark
  14. Iron MaidenBIS
  15. Aces High
  16. The Evil that Men Do
  17. Running Free

Fonte: VEJA SÃO PAULO