Memória

Irmão de MC Gui tomou muito energético, diz pai

Garoto estava em um churrasco com a família quando passou mal. Enterro foi na manhã desta terça-feira (22)

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

gui16
Gustavo e o irmão Guilherme (Foto: Reprodução/Instagram)

Gustavo Castanheira, irmão do MC Gui que morreu na madrugada de segunda-feira (21), consumiu muitas latas de energético antes de passar mal, informou o pai do garoto, Rogério da Silva Alves. Gustavo foi enterrado na manhã desta terça (22) no Cemitério da Vila Alpina, na Zona Leste de São Paulo.

+ Irmão de MC Gui reclamou de dores no peito um dia antes de morrer

+ Irmão de MC Gui ganha homenagem da namorada na internet

Em entrevista ao programa Cidade Alerta, da Rede Record, o pai disse que Gustavo estava sem dormir e tomou a bebida para permanecer em um churrasco da família no domingo (20). Durante a festa, o menino afirmou que estava sentindo dores no peito e foi para a casa de um amigo descansar. No caminho, sentiu dores e foi levado para o hospital. "Perdemos uma parte do quebra-cabeça da nossa família. Sempre vai faltar uma peça", desabafou Rogério.

+ MC Gui: Justin Bieber do funk ostentação canta música inédita

De acordo com a mãe do jovem, Cláudia Alves, Gustavo também passou mal na sexta-feira (18) durante um show do irmão. Ele teria tentado vomitar, mas não conseguiu. Os pais aguardam o resultado da autópsia que vai determinar a causa da morte.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Gustavo era o filho do meio do casal Claudia e Rogério, hoje empresários de MC Gui, o caçula da família, com 15 anos. Stefani é a irmã mais velha, de 20 anos. Mais novo ídolo do funk ostentação, MC Gui soube do ocorrido quando voltava de shows em Jarinu, Tatuí e Sorocaba, no interior do estado. Em sua página no Facebook postou: "Meu irmao, meu amor! O cara que eu mais amo nessa vida! Deus levou ele! Gente, por favor me ajuda. Não sei o que fazer. Meu irmão morreu @gucastanheira Te amo, Gu! Volta pra mim, mano!".

Fonte: VEJA SÃO PAULO