VIOLÊNCIA

Investigador da Corregedoria agride lojista nos Jardins

Imagens de câmeras de segurança mostram momento em que o policial José Camilo Leonel dá socos em comerciante 

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Investigador
Investigador da polícia agride dono de loja nos Jardins (Foto: Reprodução/TV Globo)

Destacado na Corregedoria da Polícia Civil para fiscalizar e investigar crimes praticados por integrantes da corporação, o investigador José Camilo Leonel, de 51 anos, foi flagrado por câmeras de uma loja de tapetes nos Jardins espancando o proprietário e apontando uma arma contra ele. 

+ Homem é procurado por suspeita de matar e esquartejar o pai

O caso foi mostrado neste domingo (14) no Fantástico, da TV Globo. As agressões aconteceram na Trabiz Tapetes, que fica na Avenida Brasil. No dia 21 de janeiro, a estudante Iolanda Delce dos Santos, de 29 anos, foi até a loja exigir que fosse devolvido o valor pago por um tapete persa comprado em dezembro. Ela decidiu devolver o objeto.

O dono da loja, Navid Rasolifard Saysan, propôs dar um vale-compras. Como os dois não chegaram a um acordo, Iolanda saiu dizendo que iria chamar a polícia. O investigador Leonel apareceu minutos depois e exigiu que o comerciante atendesse ao pedido. Houve discussão, seguida pelas agressões.

O proprietário, os funcionários e a cliente foram levados até a Corregedoria para registrar a ocorrência. Lá, Leonel disse que estava passando pela avenida quando atendeu ao "apelo" de Iolanda. Ele entrou armado porque pensou que um assalto estaria em curso no local, mas eram Iolanda e Saysan discutindo. O investigador afirmou que sugeriu apresentar o caso na delegacia, mas, como o comerciante recusou, foi "obrigado a usar a força física".

+ Confira as últimas notícias da cidade

A advogada do comerciante, Maria José da Costa Ferreira, informou que fez uma representação na Corregedoria e no Poder Judiciário contra o investigador. Iolanda não quis comentar o ocorrido.

A Secretaria da Segurança Pública disse que vai investigar o caso, pois as imagens demonstram "claramente a atitude criminosa do investigador" e que hoje ele terá de entregar arma e distintivo. Também será instaurado inquérito contra Iolanda por incitação a crime. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO