Noite

Número: inauguração vira barraco na Consolação

Incomodado com o barulho durante a noite de abertura do bar e restaurante, um vizinho resolveu protestar atirando ovo

Por: João Batista JR. - Atualizado em

Inauguração de bar causa incomodo em moradores    Foto 2
Fachada do Número, na última terça: a casa promete restringir o acesso de clientes à calçada (Foto: Fernando Moraes)

Inaugurado há duas semanas, o bar e restaurante Número tem todos aqueles ingredientes capazes de transformá-lo em ponto de encontro de bacanas. Instalado na Rua da Consolação, entre a Oscar Freire e a Estados Unidos, o negócio é de propriedade de conhecidos empresários da noite: Marcos Campos e Marcos Maria, sócios da Disco, e Fernanda Barbosa, requisitada promoter. O trio contratou o arquiteto Isay Weinfeld, um dos grandes nomes da arquitetura brasileira, para tocar o projeto, que consumiu investimento de cerca de 2 milhões de reais.

De estilo discreto e sóbrio, o salão principal tem sofás de couro, placas de espelhos na parede e luminárias dinamarquesas no teto. Todo esse requinte, no entanto, parece não condizer com o comportamento de parte da clientela. Pelo menos é disso que se queixam os vizinhos. “As pessoas saem para fumar, beber e jogar conversa fora em alto e bom som”, diz José Braga, gerente do condomínio Paço Imperial, localizado na outra calçada. “É um desrespeito deitar na cama tendo de escutar essa algazarra.” Para evitar maiores aborrecimentos, o aposentado Walter Pedreira, do edifício Ágata, ao lado do Número, pretende instalar janelas antirruído. “Não quero perder outras noites de sono.”

O zum-zum-zum provocado pelos clientes que fazem da calçada uma extensão do estabelecimento causou a ira de um vizinho mais radical. Na noite de inauguração, dia 10 — em que estiveram presentes à festa figuras como os empresários João Paulo Diniz e Carlos Jereissati, a socialite Ana Paula Junqueira e a apresentadora de TV Márcia Goldschmidt —, alguém atirou um ovo da janela de um prédio. Era por volta de 1 hora da madrugada. Nenhum frequentador foi atingido.

“Esse barulho vai acabar”, garante o sócio Marcos Campos. Para isso, a administração proibiu os clientes de sair de lá segurando copos. Também restringiu a quatro o número de pessoas que podem ir fumar de cada vez. “Nossa casa é para um público de 30 anos, longe do perfil dos baladeiros”, afirma Campos. Para acalmar os ânimos, os sócios enviaram uma carta aos prédios vizinhos convidando os condôminos a visitar o estabelecimento. “Queremos ficar em harmonia com eles."

Antes dos moradores, quem fez uma visita à casa foram os fiscais da Subprefeitura de Pinheiros. Na última segunda (17), eles aplicaram uma multa de 903,60 reais. O motivo foi a não apresentação do alvará de funcionamento. Segundo a Secretaria de Subprefeituras, o Número recebeu a autorização para operar na quarta-feira (19) — mais de uma semana depois da festa de inauguração.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO