Criminalidade

Idosos flagrados em bingo clandestino são socorridos pelo Samu

No total, 130 pessoas estavam no local; delegado Noya disse que chegou até lá por denúncia anônima

Por: Luan Flavio Freires - Atualizado em

A Polícia Militar fechou na tarde de quarta-feira (28)  um bingo clandestino em Itaquera, na Zona Leste. Idosos flagrados entre os 130 frequentadores do local passaram mal e precisaram ser atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Nenhum dos casos foi grave.

+ Pedreiro fica preso por engano por 12 horas na Zona Oeste

No total, vinte pessoas, entre funcionários e frequentadores, foram encaminhadas para o 24º Distrito Policial na Ponte Rasa. Após prestarem depoimento, todos  assinaram um termo e foram liberados. A polícia apreendeu na casa de jogos ilegais quarenta televisores, doze computadores, um cofre eletrônico, 23 máquinas caça-níqueis e 2 100 reais. “Parecia Las Vegas”, falou um dos policiais que participou da operação, fazendo referência à cidade americana famosa por seus cassinos.

apreensão bingo itaquera
Equipamentos apreendidos pela polícia no bingo clandestino (Foto: Luan Flavio Freires)

O bingo clandestino ficava no andar superior do prédio da igreja evangélica Nova Geração Mundial de Deus, em um edifício na Avenida Itaquera cercado por uma oficina mecânica e um terreno baldio.  Com pouco movimento, a tranquilidade da via só é quebrada pelos cantos religiosos, o barulho dos ônibus e a movimentação de apostadores que frequentavam a casa. Em quinze minutos no local, a reportagem encontrou quatro mulheres e um homem entre 30 e 60 anos que, desavisados, foram até o bingo para apostar. Surpresa com a porta fechada, uma das frequentadoras falou: “Novamente?”.

O delegado do 24º DP, Igor Vilhora Noya, disse que a polícia encontrou o bingo clandestino após uma denúncia anônima. De acordo com ele, é comum achar casas de jogos ilegais no bairro. “Os proprietários nunca estão no local. Alguns bingos nós já fechamos três, quatro vezes. Após um tempo, eles abrem novamente no mesmo espaço. Ou só mudam de endereço.” 

Fonte: VEJA SÃO PAULO