Cidade

Ibirapuera será reformado e ganhará projeto de Paulo Mendes da Rocha

Estacionamento entre Bienal e Oca deve dar lugar a uma praça

Por: Estadão Conteúdo

Capa Eleições - Fernando Haddad gosta de andar com o cachorro stick no parque ibirapuera
Parque do Ibirapuera (Foto: PRISCILA ZAMBOTTO)

Mais famoso e movimentado da cidade, o Parque Ibirapuera será reformado - a estimativa é que as obras comecem neste semestre. Pelo projeto, assinado pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha e já em estudo preliminar, o estacionamento na frente do auditório será extinto para dar lugar a uma praça. O projeto foi divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo.

Conforme informou a Secretaria Municipal de Cultura, o arquiteto foi chamado "para elaborar um plano de reestruturação do entorno da Oca, da área entre a Oca e o Auditório Ibirapuera e o projeto de reforma da Oca, visando a adequá-la às necessidades de segurança e evacuação".

+ O teste do mahamudra do Ibirapuera

Inaugurado em 1954, o Ibirapuera foi concebido por Oscar Niemeyer (1907-2012). "O plano apresentado prevê a retirada da via pavimentada, asfaltada, entre a Bienal e a Oca, a retirada do estacionamento e da área asfaltada de todas interferências (placas, tartarugas) que existem neste trecho, para criação de esplanada de acesso com piso permeável aos edifícios culturais do parque, sem remoção de árvores", diz a secretaria.

+ Sete motivos para visitar o planetário do Ibierapuera

"A reestruturação prevê ainda alteração do acesso ao parque neste trecho, com a criação, junto à via, de pontos de parada de ônibus, pontos de táxi e desembarque de passageiros, assim como vagas para deficientes. A proposta aumenta a área permeável, melhora o sistema de circulação, e cria uma entrada qualificada para o parque, em especial para os edifícios voltados à Cultura."

O projeto está sendo acompanhado pela Secretaria do Verde e Meio Ambiente. Será submetido aos órgãos de proteção ao patrimônio e ao conselho gestor do parque e já recebeu parecer favorável da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO