Cinema

Personagens de histórias de terror em "Hotel Transilvânia"

Na divertida trama, Drácula cria um resort para receber seus amigos monstros

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

Hotel Transilvânia
Frankenstein, Drácula, o Homem Invisível, o Lobisomem e sua esposa e a Múmia: reunião excêntrica (Foto: Divulgação)

É duro constatar, mas a Pixar perdeu terreno para a concorrência. Os dois últimos títulos do estúdio, Carros 2 e Valente, são trabalhos apenas corretos se comparados aos anteriores Procurando Nemo, Ratatouille e Up — Altas Aventuras. Correndo por fora, outras produtoras têm investido em roteiros muito mais criativos, aliados à técnica igualmente impecável. Em parceria com a Aardman, a Sony Animation, por exemplo, fez bonito em Operação Presente e Piratas Pirados! e volta agora em projeto-solo: o divertido e esperto Hotel Transilvânia, em pré-estreia na cidade e com lançamento previsto para sexta (5).

+ Os melhores filmes em cartaz; salas e horários

Uma das maiores sacadas está na inventiva reunião de personagens emblemáticos das histórias de terror envolvidos numa... comédia (!). Aqui, os monstros são do bem. Na trama, Drácula abriu um resort para receber exclusivamente seus amigos Frankenstein, Lobisomem e Múmia, entre outros. As criaturas se reencontram para comemorar o aniversário de 118 anos de Mavis, a filha do anfitrião. Durante os preparativos, porém, aparece na propriedade um visitante abelhudo, o jovem mochileiro Jonathan. Para o vampirão, todo humano é uma ameaça e, sem saber lidar com o inesperado, Drácula o apresenta como um parente distante de Frankenstein. Não dá outra. O momento olhos nos olhos de Jonathan e Mavis provoca paixão à primeira vista. Originalíssima, a criação, veja só, ficou aos cuidados de um dos redatores do programa Saturday Night Live e do autor das investidas no cinema de Borat e Bruno, tipos impagáveis do humorista Sasha Baron Cohen. Ao contrário do recente ParaNorman, que não se definia entre atingir o público infantil ou o adulto, este acerta ao agradar a ambos. O ritmo extremamente ágil da narrativa não entedia a molecada e há piadas só para gente grande sacar. Primeiro longa-metragem de Genndy Tartakovsky, o desenho, com o perdão do trocadilho, anima até morto-vivo.

AVALIAÇÃO ✪✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO