Saúde

Hospital das Clínicas cancela cirurgias por falta de material

Cerca de 240 procedimentos para correção da catarata deixaram de ser feitos na semana passada; Incor também estaria com problemas para agendar exames

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Hospital das Clínicas_capa 2185
Hospital das Clínicas diz que problema já foi contornado (Foto: Matuiiti Mayezo)

A falta do kit para cirurgia de catarata fez o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo cancelar procedimentos na capital. A informação foi dada na manhã desta sexta (28) no Bom Dia São Paulo. Segundo a reportagem, o problema teve início na semana passada e causou o cancelamento de, ao menos, 240 cirurgias.

Em nota, o Hospital das Clínicas confirmou que houve a interrupção do fornecimento do kit durante quatro dias e disse que o caso foi pontual. O hospital não informou o número de procedimentos não realizados. "Esta situação já foi regularizada e os pacientes já estão sendo reagendados. Vale destacar que, durante esses quatro dias, a grade cirúrgica da Divisão de Oftalmologia manteve-se totalmente preenchida, com a realização de outros procedimentos da especialidade, incluindo mutirões." O hospital informou ainda que o setor de oftalmologia realiza cerca de 470 cirurgias para catarata por mês.

+ Rapaz é preso por espalhar falso toque de recolher via WhatsApp

Ainda de acordo com a reportagem, o Instituto do Coração (Incor) também estaria com problemas para agendamento de exames, como a cintilografia do miocárdio, que avalia o fluxo sanguíneo das artérias para o coração. O cancelamento de exames também foi relatado.

O Incor informou que o exame de cintilografia está sendo realizado diariamente e que está fazendo a remarcação de alguns procedimentos por causa de uma obra que está sendo feita na unidade."Alguns exames precisam ser reagendados, no entanto, em razão das obras de reforço de pilares para a construção do Bloco 3. Esta etapa das obras será concluída em janeiro. Nesse período, estão sendo priorizadas as emergências."

Fonte: VEJA SÃO PAULO