Criminalidade

Tiroteio deixa dois mortos na escadaria da Catedral da Sé

Morador de rua tentou ajudar refém e foi baleado; Polícia Militar reagiu e atingiu o criminoso

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Catedral da Sé
Catedral da Sé: tiroteio deixou dois mortos na escadaria na tarde desta sexta (4) (Foto: Oslaim Brito)

Duas pessoas morreram em um tiroteio nas escadarias da Catedral da Sé, no centro de São Paulo, tarde desta sexta (4). Um homem mantinha uma mulher refém quando um morador de rua tentou ajudar e foi baleado. Na sequência, os policiais militares dispararam contra o criminoso armado.

Vídeo mostra a ação que terminou na morte das duas pessoas na escadaria da Catedral da Sé. Nas imagens é possível ver o homem ameaçando disparar contra a mulher. Em um determinado momento, o morador de rua se aproxima e ataca. A mulher consegue fugir durante o tiroteio.

O criminoso foi identificado como Luiz Antônio da Silva, de 49 anos, conhecido na região por ser uma pessoa violenta, que costumava andar armado. Ele tinha passagens por tráfico de drogas, lesão corporal e roubo. Já o morador de rua foi identificado como Francisco Erasmo Rodrigues de Lima, de 61 anos.

+ Universal é condenada a indenizar soropositivo

Durante a ação, Elenilza Mariana de Oliveira, de 25 anos, bateu a cabeça e foi encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento da Santa Casa de Misericórdia. A motivação do crime também não foi divulgada pela polícia. 

Por volta das 13h30, o segurança da catedral João do Nascimento presenciou Silva falando com Elenilza. Eles estavam sentados no último banco da igreja. 

Confira as últimas notícias da cidade

Ainda de acordo com Nascimento, os dois se ajoelharam aparentemente para fazer uma oração, mas continuaram discutindo. Foi possível observar que ela tentava deixar o local, mas ele constantemente segurava o braço da vítima. Assim que chegou à escadaria, o criminoso sacou a arma.

Nesse momento, os seguranças fecharam as portas da igreja. Durante a confusão, cerca de 150 pessoas estavam na catedral, que não possui câmeras de segurança.

Fonte: VEJA SÃO PAULO