Cidade

Homens são agredidos após assédio sexual no metrô e na CPTM

Casos ocorreram nesta segunda (14) e terça (15)

Por: Estadão Conteúdo

Pane Trem Linha Esmeralda Pinheiros
CPTM: equipe de segurança precisou intervir (Foto: Marcus Oliveira)

Dois casos de assédio ocorreram nos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e do metrô nesta segunda (14) e terça (15). Ambos os molestadores foram agredidos por demais passageiros, indignados com a situação.

+ Mulheres fazem protesto no metrô contra assédio sexual

O caso da CPTM ocorreu na manhã desta terça (15) na Linha 11-Coral, com relatos de testemunhas sendo publicados, em tempo real, nas redes sociais. O homem acusado de assédio apanhou e foi atirado para fora do trem na estação Tatuapé, na Zona Leste. Então, as agressões continuaram e foi necessária a intervenção da equipe de segurança da companhia. O caso foi registrado na Delegacia de Defesa da Mulher onde, até o início da noite desta terça, o acusado ainda estava detido.

Na segunda (14), uma situação semelhante ocorreu na estação Sé do metrô. Ali, o acusado de assédio foi chutado e levou rasteiras de outros passageiros, como revide por seu ato.

+ Metrô terá que indenizar passageira por assédio sexual em vagão

Em nota enviada à imprensa, a CPTM ressaltou que "repudia o abuso sexual, crime que deve ser combatido dentro e fora do transporte público". A empresa destacou que "faz campanhas de cidadania com veiculação nas redes sociais e com mensagens sonoras nos trens e estações".

"As estratégias de segurança contam com rondas de agentes uniformizados e à paisana e com o uso de mais de 5 000 câmeras de vigilância em trens e estações de toda a rede", prossegue o texto.

+ Confira as últimas notícias da cidade

"Em casos de ocorrência, a usuária importunada deve informar o fato imediatamente a um funcionário, apontando o autor e registrar queixa na delegacia de polícia. Lembrando que, de acordo com a legislação vigente, essa é a única forma de obter êxito na ação, visto que, para a prisão do assediador, é exigido flagrante e testemunha. Os usuários podem colaborar com a segurança do sistema, denunciando eventuais irregularidades pelo serviço de SMS-Denúncia (97150-4949)."

Fonte: Estadão Conteúdo