Cidade

Homem que seguia para Guiana desembarca em Goiânia

Morador de Gana, na África, comprou a passagem errada em Guarulhos. Agência deu novo bilhete para o destino correto

Por: VEJA SÃO PAULO

ganense
Sem dinheiro, Emmanuel Akomanyi corria o risco de perder uma bolsa de estudos para fazer o curso de medicina (Foto: Reprodução TV)

O morador de Gana, na África, que comprou uma passagem errada em uma agência no Aeroporto Internacional de Guarulhos e desembarcou por engano em Goiânia conseguiu seguir na noite dessa segunda-feira (23) para Guiana, país que faz fronteira com os estados de Roraima e Pará. A pronúncia pode ter sido a causa da confusão.

Sem dinheiro, o professor africano Emmanuel Akomanyi, de 29 anos, corria o risco de perder uma bolsa de estudos para fazer o curso de medicina na Universidade de Georgetown. Entretanto, a agência de turismo reconheceu o mal-entendido e deu uma nova passagem para o destino correto, segundo a TV Anhanguera. Durante o período que ficou no Brasil, o ganense contou com a ajuda de algumas pessoas para se hospedar.

+ Saiba detalhes sobre o casamento de Fernanda Souza e Thiaguinho

Órfão de pai e mãe, Akomanyi cuidava sozinho de quatro irmãos mais novos em Gana. Ele havia economizado por cerca de dois anos para viabilizar a viagem.

Ao chegar em São Paulo para fazer uma conexão, ele foi até a agência para comprar a passagem para Guiana. O atendente, porém, teria entendido “Goiânia”. Em entrevista à emissora, o professor demonstrou dificuldades em pronunciar a palavra Goiânia, citando que não sabia de sua existência, apenas de Guiana.

+ Justiça manda prefeitura tirar ciclovia de frente de colégio particular

Sem perceber a confusão, o ganense seguiu para a capital de Goiás. Ele só descobriu que tinha voado para a cidade errada quando já estava em Goiânia, dentro de um táxi. Ao indicar a universidade situada na capital da Guiana, Akomanyi foi informado pelo motorista com o auxílio de um mapa que ele estava no centro do Brasil e não no norte da América do Sul (Com Estadão Conteúdo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO