Tragédia

Professor que pulou de prédio com o filho no colo já ameaçava se matar

A mulher disse à polícia de Osasco que Edemir era "traumatizado"; pai e menino de seis anos morreram no local

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

Depois de uma discussão com a mulher, o professor Edemir de Mattos, de 52 anos, pulou com o filho de seis anos do 13º andar do prédio onde morava na Avenida Manoel Pedro Pimentel, em Osasco. O caso aconteceu por volta das 22h30 de segunda-feira (17). De acordo com o depoimento da mulher à polícia, Edemir era “traumatizado” porque não podia ver uma filha de outro relacionamento e, por isso, ameaçava fugir e se matar com o menino, Ivan Pesquero de Mattos.

+ Química tentou se matar após marido pular da janela com filho, diz zelador

Testemunhas falaram para a polícia que a criança chorava muito e pedia para o pai parar.

+ “Foi a coisa mais horrível que vi na minha vida”, diz vizinho

Antes da tragédia, um vizinho tentou convencer Edemir a não se jogar do apartamento. Um comerciante de 31 anos percebeu a briga e foi até a sacada do apartamento. Nesse momento, ele conseguiu ver as pernas de Edemir para fora da janela. Ao falar com ele, o professor nada respondeu.

+ Pai e filho que caíram de janela são enterrados em cemitérios diferentes

Ao tentar entrar no apartamento da família, o comerciante viu que a porta estava trancada. Ele então voltou ao seu imóvel e tentou novamente convencer Edemir a não pular. Foi quando percebeu que ele estava com o filho nos braços.

O comerciante ainda tentou cortar a tela do próprio apartamento para segurar Edemir, mas não conseguiu impedi-lo.

Logo após, os vizinhos entraram no apartamento da família e encontraram a mulher ensanguentada e com muitos hematomas no rosto. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, ela foi agredida com socos e chutes.

A mulher foi levada ao Hospital Antônio Giglio, que fica no centro de Osasco. Em depoimento, ela contou ser casada há aproximadamente sete anos e que sempre apanhava de Edemir. Segundo contou, ele sempre ameaçava desaparecer com Ivan, dizendo que iria se suicidar e matar o garoto.

O caso foi registrado no 5º DP de Osasco e transferido para o 9º DP da região.

Fonte: VEJA SÃO PAULO