Memória

Histórias de vítimas de Revolução de 1924 ganham espaço em livro

Obra do jornalista Moacir Assunção traz relatos pouco conhecidos da revolta ocorrido no século passado na capital

Por: Alexandre Nobeschi [com reportagem de Alessandra Freitas] - Atualizado em

Revolução 1924
Na Mooca, o cotonifício Cresp foi destruído por bombas (Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento)

Uma chaminé da antiga Usina de Força, no bairro da Luz, é o único resquício do maior conflito bélico ocorrido na cidade. Foram 504 mortos e quase 5 000 feridos durante os 23 dias em que as tropas federais do presidente Arthur Bernardes atacaram militares rebeldes que tentavam destituí-lo do poder, em 1924. Apesar do alto grau de letalidade, o confronto sempre esteve às sombras da guerra civil de 1932 nos registros históricos e, por isso, é chamado de Revolução Esquecida de 1924.

+ São Paulo recebe mostra de Frida Kahlo em setembro

Revolução esquecida de 1924 (1)
Foram 23 dias de conflito em 1924. Na foto, bairro do Belenzinho (Foto: Acervo Fundação Energia e Saneamento)

O livro São Paulo Deve Ser Destruída — A História do Bombardeio à Capital na Revolta de 1924 (Record, 280 páginas, 45 reais), lançado pelo jornalista e historiador Moacir Assunção, joga luz sobre o terror vivido naquela época. Além de relatar as circunstâncias que levaram ao triunfo do governo, a obra contempla memórias das vítimas, como a de uma família da Mooca morta durante um bombardeio.

+ Cinco destinos legais perto de São Paulo

Fonte: VEJA SÃO PAULO