Negócios

Herbalife é multada em 200 milhões de dólares nos EUA

Comissão Federal do Comércio apontou propaganda enganosa e formação de pirâmide no esquema de venda

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

herbalife
Herbalife enfrenta processo por práticas enganosas desde 2014 (Foto: Divulgação)

A empresa Herbalife foi multada em 200 milhões de dólares nos Estados Unidos, sob acusação de praticar pirâmide financeira e fazer propaganda enganosa. A punição foi aplicada pela Comissão Federal do Comércio, agência do governo americano que defende os direitos do consumidor no país.

+Moradores se unem para evitar corte de mais de 50 árvores nos Jardins

O órgão acusa a companhia de iludir quem se propõe a vender seus produtos. Por ser uma empresa de venda direta, a Herbalife não lida diretamente com o consumidor final e depende de terceiros para comercializar seus produtos, além das vendas online direcionadas a eles. É o mesmo mecanismo de vendas do Brasil.

Segundo a acusação, esses consultores são incentivados a comprar kits com valores muito mais altos do que os praticados no site e têm que angariar outras para revendê-los. A decisão diz que a Herbalife, dessa forma, força uma demanda de mercado que não existe, lesando os consumidores. 

Segundo a presidente da Comissão Federal do Comércio nos Estados Unidos, Edith Ramirez, a empresa faz propaganda enganosa ao exigir que seus colaboradores abandonem seus empregos para prosperar com o esquema. "A Herbalife terá que se reestruturar para pagar seus colaboradores pelo que vendem e não pelas pessoas que recrutam", disse.

A empresa terá ainda que contratar um auditor independente por sete anos para verificar se as adequações exigidas pela agência do governo serão realmente feitas.  

Procurada, a Herbalife no Brasil afirmou que o acordo não muda o modelo de negócio da empresa. Entre as principais mudanças, de acordo com a empresa, estão categorizar os consultores independentes como cliente preferencial ou distribuidor.  Esse último, segundo a companhia, será remunerado com base nas vendas e terá que apresentar recibos das transações. 

+Fique pode dentro do que acontece na cidade

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO