Criminalidade

Hamburgueria no Jardim Paulista sofre arrastão

A St. Louis Burger foi invadida por quatro assaltantes armados na noite de quinta-feira; ninguém foi identificado até o momento

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

St Louis Hamburgueria
Hamburgueria St. Louis foi vítima de arrastão (Foto: Divulgação)

A hamburgueria St. Louis Burger, esquina das ruas Joaquim Eugênio de Lima e Batataes, no Jardim Paulista, foi vítima de um arrastão na noite da última quinta-feira (25). O caso aconteceu por volta das 22h40.

+ "Fazer barulho por causa disso não vai mudar nada", diz dono da St. Louis

+ Depois de arrastão, chef do Ruella quer mobilizar outros restaurantes

De acordo com a Polícia Militar, quatro criminosos armados renderam funcionários e frequentadores e pediram para que todos colocassem celulares, relógios e dinheiro em cima das mesas. A ação foi rápida e até o momento nenhum dos assaltantes foi preso.

Aproximadamente dez pessoas estiveram no 78º Distrito Policial para registrar o boletim de ocorrência. O caso é investigado pelo Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais)

Outros casos

O assalto na hamburgueria entra para uma lista de 26 ataques do gênero a estabelecimentos como bares e restaurantes este ano. De janeiro a maio, a Secretaria de Segurança Pública registrou 67 arrastões na capital, uma média de um a cada dois dia.

No último sábado (20), três homens, um deles armado, promoveram uma tentativa de arrastão no Bar da Lola, na Avenida Ibijaú, em Moema, por volta da 1h. Na quinta (11), o bar e restaurante MariaLima, na Vila Leopoldina, também sofreu um arrastão por volta das 21h20. Ainda no mês de julho, o restaurante Puleiro, na Rua Domingos de Morais, Vila Mariana, foi invadido e os criminosos ameaçaram as vítimas e exigiram seus pertences.

Danielle Dahoui, chef e proprietária do Ruella, que foi invadido no dia 30 de maio, organiza uma passeata contra os arrastões que estão acontecendo nos restaurantes da cidade. A manifestação está programada para o dia 4 de agosto, na Praça da Sé.

Fonte: VEJA SÃO PAULO