Eleição

Criador de "Haddad Tranquilão" é autor de perfis ofensivos, diz campanha de Doria

Advogado alega que o autor será processado e deve justificar relação com Fernando Haddad

Por: Estadão Conteúdo

João Doria comendo coxinha
João Doria: páginas em rede social satirizava o candidato (Foto: Sérgio Quintella)

Após acionarem judicialmente o Facebook, os advogados da campanha do candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, João Doria, identificaram que o autor de duas páginas ofensivas ao candidato na rede social seria o turismólogo Pedro Barciela, um dos criadores do perfil "Haddad Tranquilão", que promove o prefeito Fernando Haddad (PT) nas redes sociais.

+ Candidatos à Prefeitura miram as periferias

Os advogados do tucano chegaram ao nome por meio do IP --identificação do computador na internet-- que foi fornecido por determinação dos juízes Márcio Teixeira Laranjo e Sidney da Silva Braga, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo.

+ STF libera participação de partidos menores em debates de rádio e TV

As páginas João Escória e João Dólar já haviam sido retiradas do ar na semana passada por ordem dos magistrados após um pedido da campanha tucana, que considerou o conteúdo ofensivo ao candidato.

Fernando Haddad
Fernando Haddad: página em rede social para promover imagem do prefeito (Foto: Nelson Antoine/FramePhoto/Estadão Conteúdo)
Relação

"O autor será processado criminalmente e eleitoralmente. Ele deverá justificar sua relação com o candidato Fernando Haddad, já que é autor e coordenador da página Haddad Tranquilão", disse ao Estado o advogado Anderson Pomini.

+ Após memes, João Doria faz campanha em casa de coxinhas

Coordenada pelo publicitário Daniel Braga, a equipe digital de Doria está monitorando as redes sociais para identificar outros casos como esse.

Barciela não foi localizado pela reportagem. Já a assessoria da campanha de Haddad disse, por meio de nota, que ele é um "militante virtual progressista e único responsável" pelas páginas tiradas do ar. A nota diz que o turismólogo não tem relação com a campanha. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO