Cidade

Prefeito reitera que tarifa de R$ 3,20 será mantida e repudia violência

Fernando Haddad afirmou que todos os esforços foram feitos para que o reajuste ficasse bem abaixo da inflação

Por: Vejasaopaulo.com - Atualizado em

manifestação contra reajuste da passagem
Manifestantres realizam protesto contra o aumento da tarifa de ônibus (Foto: Moacyr Lopes Júnior/Folhapress)

O prefeito Fernando Haddad reiterou, em nota divulgada pela Prefeitura, nesta quinta-feira (13), que o reajuste da tarifa de ônibus de São Paulo não será revisto. Haddad também repudiou a violência durante os protestos na cidade.

A passagem de ônibusee metrô aumentou de R$ 3,00 para R$ 3,20 no dia 2 de junho. A manifestação de hoje (13) é a quarta promovida pelo Movimento Passe Livre desde a semana passada. Em dois casos, participantes entraram em confronto com a Polícia Militar.

+ Acompanhe as informações sobre os protestos desta quinta

Fernando Haddad
O prefeito Fernando Haddad em coletiva com a impresa sobre os protestos contra o aumento da tarifa de ônibus (13/6/13) (Foto: Heloisa Ballarani/Secom)

Em coletiva de imprensa na sede da prefeitura, Haddadd disse: "Vou repetir para deixar bastante claro. Não pretendo [reduzir a tarifa], porque o esforço que foi feito ao longo do ano para que o reajuste da tarifa fosse muito abaixo da inflação foi enorme. E ele [aumento] vai significar investir mais de R$ 600 milhões em subsídios”. O

Embora considere legítima a expressão democrática, o prefeito afirmou que a cidade não pode aceitar a forma violenta de se manifestar e disse que, no início das manifestações, “deixou as portas abertas para o diálogo e foi recusado por parte dos manifestantes. Antes de qualquer violência ter acontecido na cidade. E depois, todos conhecem a história”.

Sobre as ações da polícia, Haddad afirmou que a prefeitura mantém diálogo permanente com a Secretaria de Segurança Pública do Estado e com o governador Geraldo Alckmin. “A Guarda Civil Metropolitana, a Polícia Militar e Polícia Civil estão desde o primeiro momento em contato permanente. Inclusive eu mesmo e o governador”.

Fonte: VEJA SÃO PAULO