Política

Haddad cogita deixar o PT e Rede, partido de Marina Silva, é opção

Gabriel Chalita poderia ser o vice do prefeito em uma chapa para concorrer à reeleição

Por: Estadão Conteúdo

Fernando Haddad
Haddad: chance de disputar a reeleição por outro partido (Foto: Valter Campanato/ABR))

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, está sendo pressionado por aliados a deixar o PT e iniciou uma série de consultas a conselheiros da política e do mundo acadêmico sobre a possibilidade de abandonar o partido pelo qual foi eleito.

+ As últimas notícias da capital

O entorno de Haddad acha que, pelo PT, ele não tem chances de se reeleger. O prefeito também teme que o desgaste do partido por causa das denúncias possa dificultar sua reeleição. Por enquanto, a opção preferencial de Haddad seria integrar a Rede, partido recém criado pela sua amiga e ex-colega de ministério Marina Silva. Apesar da pouca estrutura da nova legenda, Haddad está empolgado com as recentes declarações de Marina sobre a necessidade de um novo "campo de esquerda" no espectro político brasileiro após a crise do PT.

Se for para a Rede, o prefeito de São Paulo seguirá o mesmo caminho de outros ex-petistas que estavam insatisfeitos, como o deputado federal do Rio, Alessandro Molon. A possibilidade provoca calafrios na cúpula petista que vê na reeleição de Haddad a chance de o partido se salvar de um "tsunami eleitoral" nas eleições municipais do ano que vem.

ciclovia - minhocão
O prefeito, em inauguração recente de ciclovia (Foto: Dario Oliveira/Folhapress)

O elo entre Haddad e Marina Silva tem sido a educadora Neca Setúbal, com quem o prefeito mantém contato desde o período em que ocupou o Ministério da Educação - na mesma época, Marina era ministra do Meio Ambiente do governo Lula. Algumas semanas atrás ela foi procurada pelo secretário municipal de Educação, Gabriel Chalita. Isolado no PMDB desde a entrada de Marta Suplicy no partido, Chalita procura outro partido para se candidatar a vice de Haddad e propôs que a Rede integrasse a chapa do petista.

"O Chalita nos procurou e dissemos a ele que buscamos construir uma identidade para o partido a partir de um núcleo programático e que não é o caso, agora, de buscar um arranjo para a eleição em São Paulo", disse o porta-voz da Rede, Bazileu Margarido.

Segundo fontes da Rede, ao rejeitar a proposta de Chalita o partido teria sinalizado interesse em ter Haddad como candidato a prefeito no ano que vem e o prefeito autorizou o secretário a prosseguir nas conversas com a educadora.

Além de Neca, as consultas de Haddad incluem um grupo restrito de intelectuais e acadêmicos e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Nesses círculos reservados, são frequentes as reclamações do prefeito em relação ao PT, especialmente após a condenação do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto por corrupção e os métodos políticos de parte da bancada de vereadores em São Paulo.

gabriel chalita
Chalita: conversas para ser o vice da chapa (Foto: Fernando Moraes)

O flerte do prefeito com os tucanos não se restringe à relação com FHC. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), teria oferecido ao petista a possibilidade de ingressar no PSB. Haddad tinha excelente relação com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, morto em agosto do ano passado.

As dificuldades para a saída do prefeito do PT, no entanto, são muitas. Haddad administra um dos maiores orçamentos do País e é visto por seus colegas e correligionários como a maior esperança de renovação do partido. Se conseguir se reeleger, ele se credencia até para a sucessão de Dilma Rousseff em 2018, avaliam os petistas. Outros entraves passam pela relação direta de Haddad com Dilma Rousseff. O prefeito se queixa da falta de ajuda financeira do governo federal para sua gestão, mas mantém apreço pela presidente, que ele exclui do que chama de "crise ética do PT".

Conforme um dos assessores de Haddad, o futuro dele no PT também depende do que vai acontecer com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, seu "padrinho político" e responsável pela candidatura vitoriosa à Prefeitura de São Paulo em 2012. A decisão ainda não está tomada. "Não posso fazer isso com o Lula agora", teria dito. Nos últimos dias, as investigações da Lava Jato tem revelado evidências de envolvimento do entorno de Lula nas irregularidades da Petrobras.

Fonte: VEJA SÃO PAULO