Mobilidade

Prefeito Fernando Haddad cancela licitação de transporte público

Entre as medidas anunciadas, estão a construção de mais corredores de ônibus e criação do Conselho Municipal de Transporte Público

Por: Redação Veja São Paulo - Atualizado em

Interior do ônibus da Rio Pequeno - Terminal Princesa Isabel - capa 2327
Interior do ônibus da Rio Pequeno - Terminal Princesa Isabel: lotação (Foto: Lucas Lima)

O prefeito Fernando Haddad anunciou nesta quarta-feira (26) as medidas que irá tomar em relação ao transporte público na capital. Em entrevista ao SPTV, da Rede Globo, Haddad afirmou que a licitação aberta há duas semanas para renovação do sistema será cancelada. Os contratos, com valor total de 46 bilhões de reais deverão ser discutidos pela sociedade civil e por movimentos sociais. Para tanto, o prefeito anunciou também a criação do Conselho Municipal do Transporte Público.

"Não podemos assinar contratos de 15 anos sem participação popular. O momento pelo qual estamos exige a participação da sociedade. Vamos abrir as planilhas para que as pessoas tenham consciênca dos custos que estão sendo enfrentados", disse.

Os contratos atuais, que foram assinados na gestão de Marta Suplicy serão prorrogados até que a nova licitação seja lançada. Os contratos determinam quais empresas e cooperativas de ônibus podem atuar na capital.

Outro anúncio feito pelo prefeito foi a construção de 220 quilômetros de corredores de ônibus nas principais vias de São Paulo. Haddad adiantou apenas uma dessas vias: a 23 de Maio, entre a Praça da Bandeira e o Grajaú.

O anúncio do prefeito foi feito depois do encontro da presidente Dilma Rousseff com todos os governadores e prefeitos de todas as capitais do país. No encontro, a presidente criou o Pacto Nacional pelo Transporte Público, com investimento federal de 50 bilhões de reais.

Na terça-feira, o governador Geraldo Alckmin anunciou as medidas que serão tomadas pelo estado: reforma de 30 estações da CPTM, expansão da linha 5- Lilás do metrô até o Jardim Ângela e a construção de corredores de ônibus em Campinas.  

Fonte: VEJA SÃO PAULO