Justiça

Grupo Tom Brasil ameaça processar João Gilberto

Músico teria assinado contrato em dezembro de 2010 para fazer dois shows em comemoração de seus 80 anos

Por: Catarina Cicarelli - Atualizado em

João Gilberto
Justiça: após cancelamento de turnê, João Gilberto pode ser processado (Foto: Divulgação)

Após o cancelamento da turnê em que comemoraria seus 80 anos, João Gilberto é alvo de nova polêmica. O Grupo Tom Brasil, com quem o músico teria assinado um contrato em dezembro de 2010 para fazer dois shows em São Paulo e no Rio, promete levá-lo à Justiça caso não sejam ressarcidos do valor que teriam adiantado ao cantor na época do acordo.

+ Turnê de João Gilberto é cancelada

+ João Gilberto retorna aos palcos para comemorar 80 anos

+ Confira os shows que acontecem na cidade

Eles pedem R$ 695 mil, que correspondem aos R$ 500 mil iniciais mais a soma dos valores corrigidos e os honorários advocatícios. Segundo o advogado do Tom Brasil, Sergio D’Antino, o grupo tomou conhecimento pela imprensa de que João Gilberto faria, com dois produtores baianos, uma turnê pelo Brasil na mesma época em que havia marcado os shows no HSBC Brasil e no Vivo Rio.

D’Antino conta que, em setembro, se reuniu com o advogado do músico, Aloisio Salazar, e o produtor baiano Maurício Pessoa para firmar um acordo de confissão de dívida, onde ficou acertado que o site Ingresso Rápido usaria a receita dos shows em Porto Alegre e Brasília para quitar a soma. “Em novembro, quando as apresentações foram canceladas, perdemos a garantia da venda dessas cidades”, explica o advogado do Tom Brasil.

D’Antino afirma que, diante do impasse, o grupo decidiu depositar os três cheques que Salazar havia dado quando foi assinada a confissão de dívida, nos valores de R$ 382 mil, R$ 250 mil e R$ 63,4 mil. “Os três cheques voltaram. Ficamos com o pincel na mão e sem escada”, diz D’Antino.

Com o cancelamento da turnê por conta de problemas de saúde de João Gilberto, o advogado do Tom Brasil diz esperar entrar em outro acordo para não abrir um processo contra o músico. Há uma reunião marcada com Salazar para esta sexta (16). “Vamos conversar para encontrar uma solução amigável. Esperarei até segunda (19) ou terça-feira (20)”, afirma D’Antino.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO