Comércio

Grifes abrem espaços com data certa para fechar

Ação tem o objetivo de incrementar as vendas

Por: João Batista Jr. - Atualizado em

Para estimular o consumo e passar uma imagem descolada, algumas empresas têm investido em butiques que abrem com dia certo para fechar as portas. Conhecidas como camicases, essas lojas quase sempre oferecem produtos exclusivos. Formada em comunicação e apaixonada por moda, Luiza Setúbal, da terceira geração dos fundadores do Banco Itaú, lançou mão desse conceito para o début de sua marca de acessórios, a Lool. Mandou fazer um trailer de 35 metros quadrados para vender as peças que cria e representa. Depois do sucesso de sua primeira parada, nos Jardins, entre maio e junho deste ano, surgiu um convite para montar um espaço no Shopping Iguatemi, inaugurado na terça passada. Até 10 de janeiro do ano que vem, ela terá ali brincos, pulseiras, bolsas e chapéus exclusivos de 27 grifes, entre elas Neon e Juliana Jabour. "Os preços vão de 30 reais a 3 000 reais, pois quero conquistar um público grande", diz ela, que pretende vender 5 000 itens nessa temporada.

São Paulo é a primeira cidade do país a receber lojas desse tipo, algo comum em metrópoles dos Estados Unidos e da Europa. "Estamos atrás de um cliente mais novo que o nosso consumidor típico", afirma Phillip Schiemer, vice-presidente de vendas da Mercedes-Benz no Brasil. Com abertura prometida para a última quinta, o espaço de 300 metros quadrados da montadora alemã na Rua Oscar Freire servirá para divulgar os compactos carros Smart. "Teremos livraria, café, exibição de filmes e intervenções de artistas plásticos", diz Schiemer. A empresa espera vender 1 000 unidades do veículo até o fim deste ano. Quem leva o título de pioneira nesse modelo de negócio é a Nike. Entre 25 de maio e 25 de julho, a grife montou uma loja só para vender peças da linha Canarinho na Galeria do Rock, no centro. "Oferecemos produtos únicos para atrair público de shopping center à Rua 24 de Maio", conta Ingrid Abdo, diretora de categoria esportiva da empresa.

Fonte: VEJA SÃO PAULO