Teatro

Zé Celso é intimado a depor na delegacia

Durante manifestação contra a nova reitoria da Puc, no final de 2012, encenador decapitou boneco que simbolizava o papa

Por: Redação VEJASÃOPAULO.COM - Atualizado em

Evoé - Retrato de um Antropófago - José Celso Martinez Corrêa
O encenador em cena do documentário 'Evoé - Retrato de um Antropófago' de Tadeu Jungle: apresentação durante manifestação que pedia a renúncia da reitora Anna Cintra (Foto: Tadeu Jungle)

Em post publicado em seu blog na manhã desta sexta (7), o líder do Teatro Oficina, Zé Celso Martinês Corrêa, anunciou o recebimento de uma intimação para depor no 23º Distrito Policial, em Perdizes na terça-feira (11).

+ Mais sobre teatro

O documento, assinado pelo delegado Percival de Moura Alcântara Junior, pede a presença do encenador a fim de “elucidar os fatos e reconhecer os atores do teatro, postado na internet sob o título ‘Decapitando o Papa na PUC’, na "ocupação da ‘PUC-SP pela democracia’" .  O texto faz referência a uma apresentação, chamada Procissão Poético-Política do Teatro Oficina, que ocorreu em 27 de novembro do ano passado, durante greve dos alunos da Pontifícia Universidade Católica. Na ocasião, os estudantes pediam a renúncia de Anna Cintra - que ficou em terceiro lugar nas votações, mas foi eleita pela direção da faculdade como nova reitora. Ao final da apresentação, um boneco simbolizando o papa foi decapitado. A ação revoltou membros da Igreja e católicos ligados à instituição de ensino.

Intimação - Zé Celso
Reprodução da intimação policial, publicada por Zé Celso em seu blog: esclarecimento sobre a "Procissão Poético-Política" (Foto: Reprodução/Blog do Zé Celso)

“Querer incriminar os artistas de Teat(r)o por esta cena é um atentado à liberdade de expressão do ator”, afirma o diretor, que foi aluno do curso de Filosofia da universidade por dois anos na década de 50. A assessoria do Teatro Oficina confirmou o comparecimento do encenador à delegacia na próxima terça. A universidade ainda não se pronunciou sobre a intimação.

Em nota divulgada à imprensa, a reitoria da PUC afirmou que não tem nenhuma relação com a intimação recebido pelo diretor e ressaltou que discorda radicalmente da apresentação por "considerá-la inadequada em uma instituição católica".

* ATUALIZAÇÃO *

O depoimento de Zé Celso, agendado para esta terça, foi cancelado e ainda não há data para uma nova intimação. Segundo o delegado, o cancelamento ocorreu devido a problemas administrativos do distrito.

Fonte: VEJA SÃO PAULO