Transporte

Metroviários desistem de retomar paralisação

Categoria diz que tomará novas medidas para reverter demissões de 42 funcionários

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

Assembleia Metrô
Metroviários durante assembleia que suspendeu paralisação (Foto: Marcus Oliveira/VEJA SÃO PAULo)

Vai ter Metrô na Copa. Os metroviários rejeitaram na noite desta quarta-feira (11) cruzar os braços amanhã, na abertura da Copa do Mundo. No entanto o presidente do sindicato dos metroviários, Altino Prazeres, não descartou a possibilidade de outras paralisações durante o Mundial. 

+ Grevista demitido diz que foi informado por telegrama

A greve da categoria que durou cinco dias foi suspensa na segunda-feira (9), após o governo demitir 42 trabalhadores. De acordo com o sindicato, a prioridade é tentar reverter essa situação. Entretanto, o Estado não pretende ceder. "A categoria sentiu o baque com as demissões, mas não saiu dividida", disse Prazeres.

+ Governador afirma que metroviários não serão readmitidos

"As demissões não foram em razão de greve. Nenhum grevista foi demitido. Elas foram em razão de outros fatos, e fatos graves, como invasão de estação, de depredação, vandalismo", disse o governador Geraldo Alckmin na abertura do Fórum Empresarial América Latina Global, no Auditório do Ibirapuera, nessa terça-feira (10).

A Justiça Trabalhista de São Paulo também bloqueou as contas bancárias do Sindicato dos Metroviários. A medida foi pedida pelo desembargador Rafael Pugliese, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que, no último domingo (8), havia julgado a paralisação abusiva, determinara a volta imediata ao trabalho e definira multa de 500 000 reais por dia em caso de descumprimento.

A multa aplicada aos metroviários se acumula com a anterior, de 100 000 reais por dia parado, determinada pela desembargadora Rilma Aparecida Hemetério. As punições impostas ao sindicato somam 900 000 reais – 400 000 reais pelo descumprimento da liminar e 500 000 reais pela paralisação da segunda-feira (9).

Iniciada na última quinta-feira (5) a greve foi a segunda mais longa da história da categoria. A mobilização mais duradoura ocorrera em 1986, quando os funcionários do Metrô cruzaram os braços por seis dias. A categoria quer um reajuste de 12,2%, além de outros benefícios. Entretanto, o Tribunal de Justiça determinou que o aumento deve ser de 8,7%, seguindo a última proposta do governo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO