Educação

Governo calcula prejuízo de 2 milhões reais em escolas ocupadas

Danos ao patrimônio teriam ocorrido durante protestos contra reorganização escolar; alunos negam

Por: Estadão Conteúdo

 Escola Estadual Fernão Dias Paes
Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros (Foto: Fotoarena/Folhapress)

Com duas escolas ainda ocupadas em protesto contra a reorganização escolar proposta pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB), a Secretaria Estadual da Educação informou na sexta (8) que teve um prejuízo estimado em 2 milhões de reais com danos nas unidades.

No auge dos protestos, 196 escolas foram tomadas. Dessas, 115 teriam sido danificadas ou registrado furtos, segundo a pasta.

Entre outras acusações, a secretaria aponta que os ocupantes da Escola Estadual Caetano de Campos, na Consolação, centro de São Paulo, provocaram prejuízos de mais de 13 500 reais com furtos, depredações e desperdício de alimentos da merenda.

Segundo a pasta, os freezers da escola foram desligados durante a ocupação e mais de 200 quilos de carne, frango e margarina teriam estragado. Os alunos negam os danos ou que tenham provocado o desperdício da merenda.

Nas escolas estaduais Godofredo Furtado e Anhanguera, ambas na Zona Oeste de São Paulo, únicas unidades que permanecem ocupadas, os alunos disseram que ainda não saíram porque a secretaria não garantiu que os problemas de infraestrutura nas unidades serão resolvidos.

+ Vinte respostas para dilemas que os pais enfrentam ao educar os filhos

Ariane Lima, de 17 anos, é aluna do segundo ano da Escola Godofredo Furtado e disse que a ocupação deve permanecer até que a direção se comprometa a consertar os ventiladores e mobiliário escolar quebrado das salas de aula e um vazamento no auditório. "São coisas que pedimos e nunca são resolvidas. A direção sempre diz que não tem dinheiro. Por isso, nós estamos cobrando o governo para que isso seja resolvido agora. Senão, nunca vão consertar", disse Ariane.

Na escola Anhanguera, que funciona em um prédio tombado, os alunos disseram que a estrutura antiga não tem manutenção adequada. Eles contam que os pisos das salas afundam e, em dias de chuva, ficam molhados por causa de goteiras.

Os estudantes também cobram que os computadores da sala de informática sejam conectados à internet e a aquisição de livros para a sala de leitura. Os estudantes disseram que a direção também afirmou não ter recursos para atender às reivindicações.

+ Após 55 dias, estudantes desocupam a Escola Fernão Dias, em Pinheiros

Em nota, a secretaria informou que, antes das ocupações, não tinha registro de problemas estruturais em nenhuma das duas unidades. Informou ainda que a escola Godofredo Furtado concluiu em 2012 uma reforma geral de 359 000 reais com a troca da cobertura.

Já a Anhanguera teria recebido 638 000 reais para reformas nos últimos quatro anos, segundo o governo.

Para evitar mais atraso na conclusão do ano letivo, a direção das duas unidades iniciou as aulas de reposição, que seguem até 3 de fevereiro, em escolas vizinhas.

 

Fonte: Estadão Conteúdo