Polícia

Garoto de 13 anos morre enforcado após participar de game online

A principal suspeita da polícia é de que o adolescente estava participando de um desafio com outros amigos pelo computador e provocou a própria asfixia

Por: Andreza Monteiro - Atualizado em

Gustavo Detter 2
Gustavo tinha 13 anos e em seu perfil no Facebook demonstrava ter paixão por games (Foto: Facebook)

O adolescente Gustavo Riveiros Detter, de 13 anos, morreu após se enforcar com uma corda que sustentava um saco de boxe em seu quarto na tarde de sábado (15) em São Vicente, no litoral paulista. Ele foi socorrido na hora e levado para o Hospital Municipal de São Vicente. De lá, foi transferido para outro hospital, o Ana Costa, em Santos, mas não resistiu e morreu na manhã de domingo (16).

Segundo a polícia, no momento do incidente o garoto participava de um game chamado "League of Legends" no computador, no qual interagia com outros internautas. Teria sido proposto a ele um desafio chamado “Choking Game” ou “jogo da asfixia”, em que, propositalmente, o participante deve cortar o fluxo de ar com as mãos ou utilizando objetos, até onde conseguir. A ideia é de que a pessoa chegue ao limite máximo, inclusive provocando um desmaio. 

+ Duas pessoas morrem em atropelamento no Templo de Salomão  

Gustavo Detter
O tio de Gustavo disse ter encontrado indícios de que o menino participava de um "desafio" (Foto: Facebook)

O caso foi registrado no 7º DP de Santos e está sob investigação da Delegacia Sede de São Vicente.

+ Terminal Pirituba/Metrô Vila Mariana é a pior linha de ônibus de SP

Em entrevista coletiva na manhã de segunda-feira (17), o delegado Carlos Schneider, que investiga o caso, disse que já identificou os outros adolescentes que estavam participando do jogo. Eles deverão ser ouvidos pela polícia em breve.

"Esse game, conhecido como ‘jogo do desmaio’, é antigo e muito popular no exterior. É o primeiro caso desse tipo registrado na Baixada Santista. Mas é preciso manter em alerta a família e a escola em todos os sentidos, pois os pais precisam fazer vigilância extrema com os filhos”, alertou o delegado.

Fonte: VEJA SÃO PAULO