Exposições

Confira imagens da mostra 'Seis Séculos de Pintura Chinesa'

São exibidas na Pinacoteca 120 obras de importantes artistas chineses, do império até o século XX. Veja a galeria abaixo

Por: Livia Deodato - Atualizado em

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Pela primeira vez, são exibidas na Pinacoteca 120 pinturas realizadas pelos mais importantes artistas da China imperial (1368-1911) e republicana (1912-1949) até os atuantes no século XX, que escolheram Paris para a sua formação. Sob curadoria de Eric Lefèbvre, as obras selecionadas vêm do Musée Cernuschi, de Paris, fundado em 1898 com obras adquiridas pelo economista e banqueiro francês Henri Cernuschi (1821-1896), durante uma viagem ao Oriente em 1873.

A mostra Seis Séculos de Pintura Chinesa - Coleção do Musée Cernuschi, Paris inaugura o lançamento de um catálogo digital, contendo reprodução das obras, textos historiográficos sobre a coleção, cronologia e documentação bibliográfica, que será produzido pela Pinacoteca e disponibilizado gratuitamente através de seu site.

A exposição está dividida cronologicamente em seis espaços:

- A sala Ming reúne trabalhos realizados durante a Dinastia Ming (1368-1644), entre os destaques estão doze leques com desenhos e caligrafias realizadas por Wen Zhengming (1470-1559);

- A sala Dinastia Qing (1644-1911) reúne paisagens de Xu Zhang (1694-1749), Gao Qipei (1672-1734), entre outros;

- A Escola Epigrafia reúne trabalhos de Qi Baishi (1863-1957), Ding Yanyong (1902-1978);

- Viajando no Japão apresenta um conjunto de dez obras de Zhang Daqian (1899-1983), o "Picasso chinês", considerado o artista mais importante do século XX em seu país e que se dedicou à prática da caligrafia e da pintura tradicionais chinesas, entre outros trabalhos;

- Nas salas Descobrindo o Oeste e Renascimento da Paisagem, o público poderá conhecer trabalhos dos anos 1930, 1940 e 1950.

Completa a mostra o vídeo O Renascimento de Duas Pinturas Chinesas, que narra a história e o processo de conservação das obras orientais.

Fonte: VEJA SÃO PAULO