Consumo

Galeria dos Pães: receita lucrativa

Padaria atrai de baladeiros a executivos e fatura aproximadamente 1,5 milhão de reais por mês

Por: Tomás Chiaverini

Galeria dos Pães - 2223a
Loja fica aberta 24 horas, sete dias por semana: prateleiras têm mais de 18.000 itens (Foto: Lucas Lima)

Seja em dia santo, Carnaval ou final de Copa do Mundo, a Galeria dos Pães não fechou as portas uma vez sequer desde sua inauguração, em julho de 1999. Aberto 24 horas, sete dias por semana, o estabelecimento na Rua Estados Unidos já vendeu cerca de 78 milhões de pãezinhos e serviu por volta de 3,5 milhões de cafezinhos e 2,6 milhões de sucos de laranja. Em média, passam pela casa diariamente 5.000 clientes, que no vai e vem da cidade às vezes se encontram em situações opostas.

Pouco depois das 6 horas da manhã do último dia 10, uma quinta-feira, a estudante de moda Gabriela Zequini chegava direto de uma noite de ferveção na boate Hot Hot, na Bela Vista. Com vestido curto e acompanhada do também estudante Lucas Werneck, resolveu fazer uma escala técnica para repor as energias com um lanche antes de ir para a cama. Na mesa ao lado, em clima totalmente inverso, a produtora Luisa Oliveira alimentava-se com um pão na chapa e um chocolate quente para tomar o caminho do escritório. E sentia uma pontinha de inveja do casal: “Bem que eu preferia fazer parte do pessoal que volta da balada a essa hora”.

Já se tornou uma cena corriqueira nesse horário: os primeiros a pegar o rumo do trabalho encontram os retardatários da noitada, que muitas vezes continua pela manhã adentro. “Já aconteceu de não arrumar nenhuma paquera na balada e acabar arranjando algo por aqui”, conta o empresário Felipe Oliveira, há dez anos frequentador da Galeria após os programas noturnos. No balcão, o engenheiro Rodrigo Dantas, que três vezes por semana toma ali seu café da manhã, diverte-se ao observar os boêmios que o cercam. “É um encontro tranquilo, mas às vezes alguém meio bêbado vem fazer gozação com quem está de terno indo para o batente”, diz. 

Galeria dos Pães clientes - 2223a
Encontro de tribos: no mesmo horário em que Gabriela e Lucas (à esq.) chegam da balada, Luisa se reforça para um dia de trabalho (Foto: Lucas Lima)

Situado próximo à esquina com a Rua Haddock Lobo, o endereço é, disparado, o maior do gênero nos Jardins. Segundo o Sindicato dos Industriais de Panificação e Confeitaria de São Paulo (Sindipan), a Galeria é também a segunda maior do estado em faturamento, atrás apenas da Cepam, na Vila Prudente. Estima-se que o valor por mês gire em torno de 1,5 milhão de reais. “Ela é referência para o setor, e vários copiaram o modelo, oferecendo produtos e serviços cada vez mais diversificados”, afirma o presidente do Sindipan, Antero José Pereira. Para manter o negócio em atividade ininterrupta, revezam-se cerca de 400 funcionários. Somente a brigada de padeiros conta com 28 homens, grupo que recebe o auxílio de outras catorze pessoas, seis delas no comando dos 24 fornos da cozinha. 

Galeria dos Pães - 2223a
Caviar, produtos de limpeza e uma garrafa de 3 litros do champanhe Moët & Chandon Rosé Impérial, o artigo mais caro à venda: 2.590 reais (Foto: Lucas Lima)

Há cerca de 18.000 itens nas prateleiras, desde álcool em gel para réchaud até bombons trufados suíços. Essa vocação para o comércio de artigos variados está, de certa forma, arraigada no imóvel. Ali, entre 1936 e 1994, funcionou a Mercearia Estados Unidos. Carinhosamente apelidado de supermercado MEU, foi um dos maiores da capital antes da chegada das grandes lojas de varejo. O engenheiro civil Milton Guedes de Oliveira arrematou o ponto em 1994, realizou uma ampla reforma e, no fim da década de 90, reabriu com o nome atual. Acertou em cheio na aposta. “Cliente de padaria é o melhor que existe”, afirma. “Em qualquer casa, todo dia falta alguma coisa que vendemos aqui”, completa ele.

UM DIA NA PADARIA

1.000

quilos de farinha, 30 quilos de sal e 30 quilos de fermento são usados na produção

24

fornos assam a massa a 200 graus

28

padeiros, oito ajudantes e seis forneiros trabalham no processo

18.000

pães saem da cozinha e são vendidos a 8,90 reais o quilo

 

O CONSUMO DENTRO DA CASA

2.000

pães

1.000

cafezinhos

800

copos de suco

Fonte: VEJA SÃO PAULO