MISTÉRIOS DA CIDADE

Pintor circula pela capital para capturar cenas do cotidiano

Galeno Morgado, funcionário público aposentado, calcula ter produzido mais de 200 obras 

Por: Ana Luiza Cardoso

galeno009
Galeno Morgado: “Uso o círculo porque faz o observador perder os referenciais” (Foto: Fernando Moraes )

Há vinte anos o funcionário público aposentado Galeno Morgado caminha pela capital, escolhe um ponto com visual bacana, retira tintas, paleta e pincéis de uma mochila que carrega nos ombros, veste um avental e põe-se a pintar cenas do cotidiano. Dedica sete horas por dia ao hábito. Em uma manhã recente de setembro, por exemplo, retratava um grupo de moradores de rua no bairro da Bela Vista.

+ Edifício Itália completa 50 anos

+ Para paulistanos, táxis não devem ter monopólio no transporte particular

+ Spotify mapeia preferências musicais dos paulistanos

+ Exposição traz brinquedos que marcaram gerações

Calcula ter produzido mais de 200 obras com tinta a óleo desde 1995, a maior parte delas distribuída gratuitamente a amigos e familiares.Vendeu apenas uma, a seu irmão, por 1 000 reais. O curioso é que todas as suas telas possuem formato redondo. “Uso o círculo porque faz o observador perder os referenciais”, filosofa.

Abaixo, alguns locais onde ele instalou seu cavalete nos últimos tempos:

- Avenida São João

- Cracolândia

- Museu do Ipiranga

- Parque da Luz

- Parque do Ibirapuera

- Pinacoteca

- Praça da Sé

- Teatro Municipal

- Viaduto Santa Ifigênia

Fonte: VEJA SÃO PAULO