Cinema

"Gainsbourg — O Homem que Amava as Mulheres": charme irresistível

Vida do genial e feioso músico francês ganha tom de fábula em filme do jovem cartunista Joann Sfar

Por: Alex Xavier

Gainsbourg - Vida Heroica
Laetitia Casta e Eric Elmosnino, em 'Gainsbourg - O Homem que Amava as Mulheres': a musa e o compositor (Foto: Divulgação)

Era uma vez um garoto com orelhas de abano, olhos esbugalhados e narigão que sonhava ser artista plástico para pintar mulheres bonitas. Quando cresceu, a música o levou a conquistar as mais desejadas beldades do mundo. O jovem cartunista Joann Sfar estreia como cineasta dando à biografia do temperamental cantor e compositor francês Serge Gainsbourg (1928-1991) um encantador tom de fábula.

Gainsbourg — O Homem que Amava as Mulheres é baseado em uma história em quadrinhos de sua autoria e, portanto, a caricatura também faz parte do filme. Talvez só assim seja possível explicar o charme irresistível do homenageado, cuja feiura foi eclipsada por sua genialidade.

+ “A Missão do Gerente de Recursos Humanos”: simpática comédia dramática

Na Paris ocupada pelos alemães durante a II Guerra Mundial, o menino Lucian (seu nome verdadeiro) já se sentia homem, desenhando cenas eróticas, fumando cigarros e assustando os adultos com uma resposta ardilosa sempre engatilhada. Filho de judeus russos, desdenhava da perseguição nazista escondendo-se em seu universo criativo, povoado por um alter ego esquisitão como ele.

O personagem imaginário, apresentado como um alegórico boneco do próprio Gainsbourg, o acompanha nas décadas seguintes, quando, já crescido (incorporado de maneira impressionante pelo ator Eric Elmosnino), torna-se compositor de músicas popularizadas por vozes femininas.

+ Mostra "O Mundo Mágico de Escher" fecha mais tarde nesta reta final

Na tela surgem atrizes lindíssimas que interpretam estrelas ainda mais fascinantes, do naipe de Brigitte Bardot (Laetitia Casta), sua amante, e Jane Birkin (Lucy Gordon), com quem se casaria e teria uma filha. Os bastidores da criação de canções célebres, como Bonnie & Clyde e a provocativa Je t’Aime Moi non Plus, rendem números musicais divertidos e envolventes. Extremamente sensual, a fita é prejudicada apenas pelo final um tanto apressado e pouco conclusivo.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO