Gente

Gabriela Pugliesi freta avião para viajar com cachorro

Após não conseguir embarcar com seu cachorro em voo comercial, blogueira postou vídeos sobre o caso em rede social

Por: Tatiana Izquierdo - Atualizado em

gabriela-ricardo-cachorro
Gabriela e Ricardo Barbato juntos com o cachorro Budapest, da raça pitbull (Foto: Reprodução/Instagram)

Após não conseguir embarcar com seu cachorro, da raça pitbull, num voo comercial da TAM, a blogueira fitness Gabriela Pugliesi fretou um avião bimotor para levar seu pet à cidade de Itacaré, na Bahia. Ela viajou na companhia do namorado, Ricardo Barbato.

Gabriela relatou na rede social Snapchat que a empresa aérea estaria dificultando o embarque. "O Budapest (nome do cachorro) está ficando muito deprimido porque tem ficado sozinho. Decidimos levá-lo para a viagem de Itacaré, mas a TAM tem um monte de regras que não permitem o embarque dele, por causa, principalmente, da raça", falou a blogueira em um dos vídeos postados.

+ Namorado de Gabriela Pugliesi é detido no Ibirapuera

Procurada, a TAM esclareceu a medida adotada por meio de sua assessoria de imprensa: "A reserva foi imediatamente negada porque não transportamos animais braquicefálicos (caso da raça pitbull) e, para a segurança do animal, o transporte é feito somente pela TAM CARGO. Ela já tinha essa informação e, em momento nenhum,  proibimos o animal de viajar".

budapest-cachorro-pugliesi
Budapest: cachorro da Gabriela Pugliesi e de Ricardo Barbato tem mais de 40 000 seguidores no Instagram (Foto: Reprodução/Instagral)

A solução encontrada pelo casal foi contratar uma empresa de taxi aéreo. "Uma conhecida viu os vídeos da Gabriela relatando os problemas para embarcar com o cachorro. Eu enviei um e-mail para sua assessoria de imprensa e ofereci meu trabalho", contou Felipe Haddah, da empresa Áquila Soluções Aéreas.

Em outro vídeo, Gabriela disse que "gastou muito dinheiro para o Buda viajar com a gente". Questionado sobre os valores da viagem até a Bahia, Felipe respondeu que "fez um serviço especial para Gabriela e que os valores combinados não podem ser divulgados".

Fonte: VEJA SÃO PAULO