Esporte

Mundial de Surfe em Pipeline é adiado novamente

Chuva, frio e vento formam ondas gigantes e perigosas na praia de Pipeline; etapa pode ficar para segunda-feira (15)

Por: VEJA SÂO PAULO - Atualizado em

Pipeline-mundial-surfe-kelly-slater-asp-laurent-masurel
Kelly Slater na praia de Pipeline, no Havaí (Foto: ASP/Laurent Masurel)

Mais uma vez foi adiado o reinício da etapa do Mundial de Surfe de Pipeline, no Havaí, última do circuito em 2014. É lá que o paulista Gabriel Medina, número um no ranking, pode se consagrar como o primeiro brasileiro campeão mundial da modalidade.

+ Ondas gigantes adiam Mundial de Surfe no Havaí

A entrada na água estava marcada para as 7h30 local (15h30 de Brasília), mas o início foi postergado por causa das condições climáticas, com chuvas, frio e ventos fortes. As ondas gigantes que se formaram forçaram o adiamento da terceira rodada da competição já neste sábado (13). Com isso, o brasileiro ainda não conseguiu disputar a terceira etapa contra o havaino Dusty Payne, que se classificou na repescagem.

Uma nova tentativa está marcada para 11h30 (19h30 de Brasília). Caso a organização encontre riscos para a realização das baterias, a próxima chamada fica para segunda-feira.

+ Gabriel Medina: surfista brasileiro pode ser campeão mundial este mês

Medina, que venceu a sua bateria na primeira rodada na sexta-feira (12), ainda disputa a taça do mundial com o norte-americano Kelly Slater e o australiano Mick Fanning. Em caso de vitória na terceira fase, o brasileiro elimina Slater e obriga Fanning a chegar à final.

Fonte: VEJA SÃO PAULO